domingo, 7 de agosto de 2011

Aprender a morrer


Você vai aprender a morrer para aprender a ressuscitar.

Então é a morte. O café e o pão não descem por causa do nó na garganta. O banho quente poderia demorar uma eternidade. O sono também se ele não fosse um flashback de momentos que nunca existiram, mas era um sonho em preto e branco, sem Sol e sem calor, sem contato, sem carinho. Acordar de madrugada e reviver os últimos minutos de esperança. Mas estou aqui, vivo. Morto, porém vivo. Talvez eu esteja no limbo.

Estamos morrendo a cada momento. Soa trágico, não? Mas morremos porque estamos mudando, o mundo está mudando, as pessoas e com eles, nossos sonhos e sentimentos. Não é a mesma coisa de outrora. Algumas vezes benéfica, há males que vem para o bem. Outras vezes, a morte é lenta e dolorosa. Você implora a para a Morte para que ela te leve embora, mas ela assiste a tudo, indiferente, lixando as unhas de pernas cruzadas sentada em um banquinho.

Por isso devemos estar preparados para morrer. Cada um há de encontrar o seu ponto de equilíbrio mais cedo ou mais tarde, querendo ou não. Estou tentando aprender a não criar expectativas para não me machucar enquanto corro atrás dos meus sonhos. Ou desejos, necessidades, seja lá o que for, é só no fim que saberei o que era e será no limbo onde irei descobrir. Se você não se preparar, vai doer insuportavelmente. Você vai cair e o mundo não vai parar para esperar você se levantar. Se você estiver preparado, sim, vai doer, mas logo você se recupera e renasce das cinzas.

Fênix. Ela morre e renasce de suas cinzas, sempre bela e sua cor vermelho fogo. Sempre.

Morrer não é fácil, não é agradável, nenhum de nós quer morrer. Mas a morte é uma lição, um aprendizado. É, meu amigo, a vida é sádica e nos expõe a dor para que aprendamos a morrer. Você vai aprender a morrer para aprender a ressuscitar. Seu remédio tem gosto amargo, é o tempo. Morrer não é o fim, mas um novo começo, aprenda com os seus erros, mas jamais corrompa a sua alma, a sua essência, você, para agradar quem não têm paciência, tolerância e que se recusa a amar e respeitar você do seu jeito. Morrer não é a oportunidade de jurar vingança, mas a de ter humildade de reconhecer erros e perdoar aos outros e a nós mesmos. Somos humanos, cometemos erros e matamos algumas vezes as pessoas que nós amamos, com ou sem intenção, para que elas tenham a oportunidade de renascer.

Um comentário:

  1. outro texto bonito, peterson. e o vídeo também é muito bom, não conhecia.

    abraços!
    raileronline

    ResponderExcluir