domingo, 24 de julho de 2011

Quedas de julho


O que levaria você do céu ao inferno em questão de segundos? Como tremer de frio no deserto do Saara? Como suar de calor no frio da Antártida? Como explicar essa viagem entre os dois extremos?

Não é a primeira vez que há quedas em julho. Inverno aqui no hemisfério sul, verão no norte, mas as folhas ainda caem quando não é mais outono em lugar algum.

No início da segunda metade do ano, o músculo mais forte do nosso corpo faz hora extra e a mente é avaliada por psicólogos e submetida a exames laboratoriais de resistência.

A glória vem quando julho inicia com e-mails escritos com letras roxas e uma nova mina de diamantes é encontrada na África do Sul. Ficaremos fascinados com novas cores e brilhos.

Seremos envolvidos por um fogo que nos aquece durante as noites frias, um calor que nos alegra e nos faz querer contagiar e aquecer aqueles que sentem frio. Estamos pegando fogo, a casa está pegando fogo e então acontece: CABUM! O botijão de gás explode e o fogo sai de seu controle.

Você precisa de gás para novas explosões e alimentar as chamas, mas elas diminuem, o fogo apaga e o vermelho, amarelo e laranja dão lugar ao azul. Restam as cinzas...

Chamem os bombeiros! Vai buscar Dalila, ligeiro!

2 comentários:

  1. tá tudo muito doido mesmo e cada ano que passa fica mais confuso esse nosso tempo.

    respondi seu comentário sobre o linkedin. abraços.

    ResponderExcluir
  2. Hmm... É...

    Abstrato neh? Mas eu gostei.
    Sou desses que sua (é assim?) no frio e panz.

    Me explica depois o q quis dizer? oO
    kKk...

    Abç.

    ResponderExcluir