domingo, 6 de março de 2011

Criatividade, cadê?

Onde foi parar a criatividade do século XX? Estaremos sempre de olho no passado em busca de coisas pseudo-novas?

Em 1997, a escritora britânica J. K. Rowling lançou o primeiro livro da série Harry Potter, “Harry Potter e a Pedra Filosofal” e tornando-se um best-seller mundial, passando a ser adaptado ao cinema pela Warner Bros. em 2001. Desde então, Harry Potter tornou-se um fenômeno mundial, quebrando recordes de vendas de livros e de bilheteria, no caso dos filmes. Tema central: bruxos.

Em 2008, outro fenômeno entre as adolescentes também sai dos livros para a tela grande: a Saga Crepúsculo. Não fez tanto sucesso quanto Harry Potter, mas apaixonou várias fãs ao redor do mundo e também foi criticado por muita gente. Tema central: vampiros e lobisomens.

Em 2010, a rede de televisão estadunidense Fox lança a série “The Walking Dead” após o fim de “Lost” que foi uma de suas séries de maior sucesso. Tema central: zumbis.

Estes são apenas alguns exemplos de filmes ou séries de TV que fizeram um sucesso mundial. O tema central deles era, respectivamente, bruxos, vampiros, lobisomens e zumbis. O que eles têm em comum?

Bem, são todas obras de ficção, de fantasia. Podemos constatar também que contos sobre estes seres e criaturas não são recentes. Até mesmo os contos de fadas da Disney contam estórias com os mesmos personagens: o príncipe, a princesa e a bruxa malvada. Onde foi parar a criatividade do século XX? Para onde irá a do século XXI?

Não vivemos mais na Idade das Trevas e a Igreja não tem mais o poder de mandar supostos “demônios” para a fogueira, não podemos acusar ninguém de bruxaria para que nosso “pecado” tenha fundamento. Somos tão esclarecidos e céticos que a imaginação se perdeu e até mesmo as crianças são educadas desde cedo que coelhinho da Páscoa e Papai Noel não existem. A magia foi embora. Elas se tornam adultos pouco criativos, pálidos, céticos, demasiado pés no chão.

Estaremos sempre de olho no passado em busca de coisas pseudo-novas? A moda estará sempre procurando algo retrô ou vintage para a modelo desfilar na passarela? Os cineastras estarão sempre de olho na lista de best-sellers de livros que poderão ser adaptadas ao cinema?

Inspirar-se em contos antigos ajuda a manter o folclore e a mitologia de uma cultura viva. Bruxos, lobisomens, zumbis, vampiros, gladiadores, deuses e semideuses não serão esquecidos tão cedo... Seremos uma geração de restauradores que não irá contribuir com nada de novo devido à nossa pouca criatividade e pelo excesso de ceticismo?

2 comentários:

  1. Não ocnsigo imaginar outro tipo de "literatura fantástica" sem estes personagens. Restam doendes e unicórnios.

    E sobre a igreja não ter mais o poder de mandar para o fogueira, acho que é justamente por isso que as novas estórias estão tão passivas. Pra que matar um vampiro ou uma bruxa se eles não fazem mal a todo mundo?

    Não temos pra onde correr, tudo é um ciclo e nem sempre isso é ruim.

    ResponderExcluir
  2. criatividade não é apenas criar algo novo, mas também reinventar algo de uma maneira nova.

    leu a minha crítica do filme 'demônio'? é uma história bacana, diferente e com final surpreendente. recomendo que assista.

    ResponderExcluir