domingo, 27 de dezembro de 2009

Au revoir


Houve um tempo em que os fantasmas me assustavam, mas aprendi a deixá-los para trás. Porém, ainda há aqueles que insistem em tentar assustar.

Ah, e hoje que a minha realidade é outra, tu vens até mim como um fantasma para fazer “bu”. Para quê? Qual o propósito disso?

É alguma crise existencial? Não tomaste o teu Prozac hoje? Percebeste que o teu mundo maravilhoso não é tão maravilhoso assim e que o belo caminho das pedrinhas coloridas não era tão belo?

Oh! Houve um tempo em que eu achava que sem ti eu estaria fadado a ser sugado pelo buraco negro. Ontem eu não conseguia enxergar meu futuro. Jogaste-me na caverna escura. Jogaste-me na lama, sem dó nem piedade.

O desespero fez-me procurar a saída. Na caverna aprendi muito sobre eu mesmo. Descobri uma força que tu fazias questão de dizer que eu não possuía. Levaste-me a acreditar que eu era incapaz e que sem ti, eu era apenas lixo.

E tinhas razão, eu era lixo pois convivia com o lixo. Aprendi que teu ato de me jogar na lama pode ter sido duro e dolorido, mas foi a chave que tu me deste capaz de libertar-me das algemas que me prendiam a ti. Eu era covarde e sem esta atitude tua, quiçá eu não tão cedo teria movido um músculo sequer e teria me acomodado à situação.

Reciclei-me. Reciclei minhas ideias. Reciclei o meu livro dos dias. Virei a página. Encontrei meu camaleão interior. E tu? Reciclaste ou decidiste apodrecer na mesmice?

Os peões do teu xadrez passam por mim, dizem-me oi. Teus peões são fiéis a ti, vítimas de tua hipnose, da tua lavagem cerebral. Lindo será o dia que eles acordarem do transe e se rebelarem. Verás que és apenas lixo sem o teu lixo.

Meu passado, eu deixo no passado. É uma grande janela exposta ao tempo. A cada dia, ela ficará mais suja e mais difícil ficará de enxergar através dela. Um amontoado de dias, horas, minutos, segundos, capazes de findar emoções bobas e ingênuas. Do meu passado trago lições essenciais para melhorar a pessoa que hoje eu sou. O que me faz bem e o que me faz mal. O que posso aproveitar e o que posso descartar.

Então passado, deixe o passado no passado. Não quero revivê-lo, não, obrigado. Precisas dele para te sentires melhor? Não estou disposto a te tornar parte do meu presente de novo e muito menos, do meu futuro.

E se um dia nós nos virmos de novo por aí nas ruas da vida, não fiques impressionado caso eu finja que não te vi, passe batido ou atravesse a rua. A etiqueta não será capaz de me fazer ceder à falsidade e à artificialidade. Eu retorno à indiferença. E tu? Vives do teu passado?

Passado, acabou. Deixe-me em paz, segue o teu caminho e procura ser feliz (quanto mais longe de mim, melhor).

Adeus. Good-bye. Au revoir.

6 comentários:

  1. Muito massa o teu post, parabéns pelas palavras...

    "Ninguem que não tenha a intenção de te fazer sorrir merece sua condição de chorar"

    Abraços, amigo...

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que o que diz está certo!
    Temos mesmo às vezes que tomar umas decisões e nos livrar do passado,ainda mais quando somos vistos como "inferiores",em determinadas situações,como trabalho,relacionamentos,estudos etc.
    Acho que se a gente pelo menos ter pensamentos positivos e esforços reais...o passado é totalmente desnecessário.


    (:
    Ps. Peguei algumas frases pra mim,para os meus novos objetivos.

    Julis

    ResponderExcluir
  3. Opa, texto forte esse hein cara? Mas as vezes as coisas só funcionam assim, quando vomitamos nossa verborragia em quem merece.

    abração

    ResponderExcluir
  4. Cara muito bom, bem escrito e desenvolvido com umas passagens bem poéticas. Adorei essa: "Meu passado, eu deixo no passado. É uma grande janela exposta ao tempo. A cada dia, ela ficará mais suja e mais difícil ficará de enxergar através dela."

    ResponderExcluir
  5. Muito bem escrito seu texto, Peterson. E deu pra perceber uma maturidade incrível nas suas palavras. Parabéns por ter descoberto que você não depende de ninguém pra ser feliz, e que viver de passado só nos traz frustração e angústia. Nunca se submeta a uma situação que não lhe agrada se achar que não vale a pena. Siga sua vida, aprenda com os erros e seja feliz!

    Que 2010 seja o ano das realizações pra você!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir