domingo, 21 de junho de 2009

A mulher e seu lugar na socidade


Elas vêm conquistando cada vez mais espaço, mas acreditam que ainda não é o bastante. Como elas podem conquistar mais direitos?


Durante as últimas décadas, as mulheres têm conquistado cada vez mais o seu espaço na sociedade ocidental. No começo do século passado, muitas mulheres eram educadas para levar uma vida de dona de casa, tendo como funções lavar, passar, cozinhar e cuidar dos filhos. Aos homens cabia somente colocar comida e dinheiro para dentro de casa e, por causa disto, ele era a autoridade absoluta.


A mulher sempre esteve à sombra dos homens em inúmeras culturas desde a pré-história. O homem sempre se fez valer de sua força física para ser a autoridade no lar e na sociedade e restava à mulher cuidar do marido e do lar, pois eram serviços que não exigiam força. Isso caracterizou a mulher como o “sexo frágil” e criou uma sociedade machista onde o homem manda e a mulher obedece.


Em pouquíssimas culturas a mulher era tratada em nível de igualdade pelos homens e até hoje elas ainda lutam para ter o direito de serem independentes deles. Como a Igreja Católica vem perdendo cada vez mais fiéis e poder de influência no mundo ocidental, as mulheres daqui do Ocidente vem podendo conquistar o seu espaço na sociedade sem o perigo de serem punidas ou recriminadas por grande parte da sociedade.


Elas ainda não chegaram ao estado de igualdade e total independência, mas elas estão conquistando cada vez mais espaço na sociedade e poder de decidir o que querem e o que não querem fazer das suas vidas. Atualmente, são poucas as mulheres que vivem o sonho de ser uma Amélia da vida. A maioria hoje procura estar inserida no mercado de trabalho para não precisar se rebaixar e depender do dinheiro do marido para ter o que elas querem.


Poucas ocupam cargos de chefia em empresas e no campo político tanto que, quando ocupam, sempre chamam a atenção por estarem no poder. Aqui no Brasil, a ministra Dilma Roussef é costumeiramente citada como “uma mulher com chances reais de ser eleita a primeira presidente do Brasil”, assim como a governadora Roseana Sarney já foi em 2006. No cenário internacional, temos a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e a chanceler alemã, Angela Merkel.


Uns dos grandes problemas de as mulheres ainda não terem conquistado os tais “direitos iguais” deve-se não só a uma sociedade machista, mas sim da falta de união delas. Uma característica típica da enorme maioria das mulheres, a sensibilidade, pode ser uma arma que pode ser usada a favor delas (afinal a empatia e a simpatia são apreciadas por todo mundo), como também pode ser usada contra elas.


Uma mulher tende a ficar muito mais aborrecida com uma crítica do que um homem. Elas podem não engolir isso muito bem podendo demonstrar raiva e ficar com o desejo de dar o troco. Se você criticar uma mulher que está em um cargo acima do seu, é bastante provável que você tenha criado uma inimiga silenciosa, enquanto um homem possivelmente será tão duro com você do que você foi com ele. Porém, isso vai depender do profissionalismo de cada um, é claro.


É nesses casos que o ditado “se você não pode com eles, junte-se a eles” pode ser aplicado. Quem exerce o poder em muitas sociedades são os homens e se as mulheres quiserem conquistar o seu espaço, elas terão que se impor e lutar de igual para igual. Elas precisarão mostrar que são capazes, competentes e vão ter que deixar o seu lado emocional de lado nessas ocasiões, além de que terão que se unir em prol de um sentimento igualitário e justo.

2 comentários:

  1. Uma das coisas que tb vejo como empecilho é o fato de algumas mulheres acharem que feminilidade é sinônimo de fraqueza.

    Homens e mulheres são diferentes, isto é um fato. Não é descaracterizando o sexo feminino que uma mulher atingirá o sucesso.

    Justamente as diferenças é que dão o balanço à relação entre os sexos. Tanto pessoais quanto profissionais.

    Abraço!!!

    Sérgio
    www.olhar-blase.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. O machismo hoje é silencioso. Teoricamente as mulheres têm o poder, mas é só pisar em casa que o maridopede um café, reclama da bagunça...heheh É complicado. As leis já mudaram em favor das mulheres, acho que só falta o principal: mudar de consciência.

    ResponderExcluir