quarta-feira, 6 de maio de 2009

Liberalismo vs. conservadorismo


É melhor sermos liberais ou conservadores? Os prós e os contras de ambos refletidos no mundo atual.


Desde os primórdios, o ser humano sempre vive em sociedade, compartilhando os mesmos objetivos, costumes, preocupações, etc. A religião, seja ela qual for, sempre teve o poder de influenciar em uma sociedade, usando o seu livro sagrado como uma espécie de norma de conduta.


O século XX foi um século de grandes mudanças e podemos perceber isso quando falamos das décadas de 1950, 1960, 1970, até a década de hoje. Cada uma delas foi bastante distinta e o comportamento da sociedade de mudou muito, especialmente na sociedade ocidental de maioria católica.


O conceito de moral e amoral sempre existiu. No começo do século XX, a mulher era muito submissa ao homem e era criada para cuidar do lar e dos filhos. Elas casavam virgens e precisavam do aval do patriarca. Ninguém dava amassos em público. As mulheres que se recusavam a esse destino e que queriam ser independentes eram muito mal-vistas pela sociedade, tal como Hilda Furacão e a cantora Maysa.


Nos dias de hoje, as mulheres agora votam, têm muito mais espaço no mercado de trabalho e são menos dependentes dos homens. As roupas ficaram cada vez menores. O divórcio deixou de ser coisa do outro mundo. Casar-se virgem deixou de ser motivo de orgulho para ser motivo de piada, entre outras mudanças.


Os mais velhos e mais radicais poderiam dizer que o mundo se perdeu e, de certa, forma, isso faz sentido. São raras as famílias que são bem-estruturadas ao ponto de ninguém se envolver com o crime, drogas ou engravidar durante a adolescência. Talvez isso não aconteça na sua família, mas muita gente tem um parente envolvido com o submundo, especialmente nas famílias mais pobres. Talvez seja o preço que se paga pelo excesso de liberdade.


Quase sempre dá problema quando uma cultura tenta interferir numa outra. Por exemplo, os EUA (Bush) com o seu lema de “estabelecer a democracia” (como um pretexto para fazer guerra), plantou o ódio no coração dos mulçumanos, que responderam com atentados terroristas.


O mundo ocidental dá tanto valor à liberdade, ou passa uma imagem tão positiva que acaba seduzindo pessoas de outras culturas. De acordo com o nosso ponto de vista, as sociedades mulçumana e hindu são muito rígidas e seus costumes são seguidos à risca. Muitos se sentem oprimidos, mas mesmo assim, seguem a tradição. As mulheres, por exemplo, são criadas para cuidar do lar e do marido, assim como as mulheres ocidentais também foram. Muitas delas adorariam ter nascido no Ocidente para poder desfrutar da nossa liberdade.


A liberdade e o conservadorismo têm os seus prós e os seus contras. O desejo de liberdade deu mais espaço às mulheres, minorias oprimidas e aos jovens, mas isso não quer dizer que as coisas tenham melhorado. Poucas são as famílias estruturadas e as pessoas estão cada vez mais egoístas, solitárias e manipuláveis. Por outro lado, o conservadorismo pode gerar infelicidade. Imagine-se casando com uma pessoa estranha por obrigação e, se você se separar, será apontado como um mal-exemplo para a sociedade. Ou imagine-se indo contra as suas vontades e ideais. É difícil, ainda mais se você souber que a sua vida toda vai ser assim.


Deste modo, ser 100% liberal e ser 100% conservador não é bom. A liberdade é muito boa desde que usada com sabedoria. São necessários limites, e nessas horas é importante ser conservador, para acabar não passando do ponto e tornarmos a liberdade algo prejudicial. Conservadorismo demais sufoca e aprisiona. É necessário um equilíbrio, um limite. Agora onde começam e terminam esses limites? Vai depender do quão expandida é a sua e a mente dos outros.

7 comentários:

  1. Viver nos extremos nunca é algo positivo. Mas entre pender para o liberalismo e o conservadorismo eu tendo a abraçar mais o primeiro destes.

    Defendo a ideia que devemos ser livres para escolhermos o caminho que queremos seguir, seja ele conservador ou não.
    O problema é que a liberdade é encarada como algo sem limites por muitos e a falta de um espírito conservador, por menos que seja, faz com que fiquemos perdidos em nossas ações. Isso pq se sempre mudamos de ideias e estamos abertos a novos conceitos e ideologias, sem levar em consideração nenhuma espécie de principio conservador (não confundir com religião)nos tornamos mais um na multidão de pessoas 'livres', manipuladas e tolas.


    **** Ótimo post, fazendo jus a qualidade do seu Blog. o qual eu andei meio sumido mas sempre curioso para ler os textos, a falta de tempo me impede vir aqui mais vezes. Mas devo vir aqui nos próximos dias...

    AbraçosS

    ResponderExcluir
  2. eu gosto de ler o q vc escreve aqui pq é exatamente como eu penso, so pq um jeito de se ver as coisas pode ser antigo q quer dizer q esta errado, é engraçado perceber q o moderno hj em dia é a mesma coisa q libertino, podemos fazer tudo e nada é digno de repreensão, hj os valores e conceitos nao sao dignos de nota nem de consideração

    ResponderExcluir
  3. Como vc mesmo disse viver em extremos nao ajuda em nada à sociedade no sentido da evolucao. E como vc mesmo disse de novo, achar o limite depende da mente de cada um.

    Por isso nunca chegaremos a conclusao nenhuma em relacao à isso. A sociedade muda e vai mudar na base da forçação de barra. Os novos costuems tiveram que ser engolidos por todos (ou quase todos) e assim va iser sempre.

    Enfim, acho q to falando besteira.

    ResponderExcluir
  4. Peterson, espero que não fique com raiva de mim, mas qria te pedir um favor. Meu blgo tá concorrendo num concurso e se fosse possível, qria que votasse em mim. É rapidão. Enfim... o link tá aqui embaixo. Abç e malz pelo aborrecimento.

    http://www.topblog.com.br/busca_blogs.php?tags=211403?be7fe1da58ebe547f17776c08632378e#

    ResponderExcluir
  5. Olá, Peterson!

    Acho que tudo vai do bom senso de cada um. Nem de mais, nem de menos, mas tudo muito bem dosado. Viver sufocado por uma tradição traz realmente muita infelicidade para quem não concorda em viver assim, mas a total liberdade também não pode ser vista como algo positivo. O que você me diz de mulheres com a mente "livre" que tiram a roupa em pleno baile funk? E muitos confundem liberdade com falta de pudor, com vulgaridade. Por isso eu digo, nem um extremo nem outro. Temos que buscar sempre um meio termo para não sermos radicais em nossas escolhas. E bom senso, sempre!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Olá, mocinho!

    Ótima abordagem!

    A fórmula não é afrouxar e nem apertar em demasia.

    O Mundo está louco e cruel, devido a falta de equilíbrio de pessoas extremistas.

    Hoje impera a falta de respeito e uma necessidade extrema de se opor a conduta vigente, pessoas querendo pagar de cult-revoltadinhas.

    aff... ¬¬

    ResponderExcluir
  7. Eu sou super ambígua! Ser liberal no dos outros é mais fácil.... rs.

    ResponderExcluir