quinta-feira, 21 de maio de 2009

Intransferível


Existem coisas em você que as pessoas podem levar embora e têm outras que elas não podem levar nem mesmo se você pudesse entregá-las.


Existem várias coisas em nós que os outros podem pegar e levar com eles. Essas coisas são sempre aquelas que podemos tocar. Um ladrão, por exemplo, pode roubar o seu celular, o seu dinheiro, as suas roupas, documentos e coisas assim. Uma pessoa invejosa pode roubar o espaço que você lutou para conquistar. Mas existem coisas em você que ele jamais conseguirá levar embora, nem mesmo se você quisesse ou pudesse entregá-las.


Imagine que no seu ambiente de trabalho tem alguém que simplesmente detesta você porque você sabe fazer uma coisa e ela não. E outra: você ocupa o cargo que ela quer ocupar. Num belo dia, ou melhor, num dia não tão belo, ela arma uma cilada para você e isso acaba custando o seu emprego, cuja vaga é ocupada por essa pessoa. Pouco tempo depois, seu antigo chefe implora pelo seu perdão e que você volte a trabalhar com eles, pois só você sabe fazer aquele serviço corretamente.


O seu país vive uma guerra civil e foi confiado a você o segredo de onde é o esconderijo do líder separatista. Os inimigos capturaram e torturam você para que você conte onde fica o esconderijo, mas você sabe de todo o sofrimento promovido por eles durante anos de guerra civil e prefere morrer a contar. O exército inimigo precisa extrair de qualquer maneira a informação de você, mas você diz que não conta nem morto. Por mais que eles ameacem que vão te matar, eles não o fazem porque precisam da informação caso contrário, eles morrem também. No final, você não conta, vira refém e os inimigos morrem por terem falhado na missão.


O amor e a amizade são sentimentos muito cobrados pelas pessoas e que não costumam não ser recíprocos se não sentirmos isso da outra parte. Muitos filhos reclamam da falta de atenção dos pais, que eles não os amam e coisas assim. Quando você está apaixonado, você espera o mesmo. Você também fica se perguntando se a outra pessoa pensa em você assim como você pensa nela, se ela realmente te ama, se ela se preocupa em lhe agradar e lhe confortar você quando necessário. Você precisa sentir o afeto para acreditar que ele é verdadeiro, mas isso é possível?


Estudo, experiências e memórias são três coisas que ninguém pode tirar de você.


Bem, na verdade, são mais de três coisas. São coisas que são guardadas e estimuladas pelo seu cérebro. Para alguém roubá-las, seria necessário que alguém roubasse o seu cérebro e conectasse ao dele, ou então se ambos os cérebros tivessem saída USB, mesmo assim, não seria a mesma coisa.


Quando você vai a uma montanha-russa, por mais que muitos digam que ou “é adrenalina pura” ou que “dá muito medo”, cada um sente a experiência de uma maneira diferente. Durante o tempo que você fica lá você imagina outras coisas, tem outras sensações, etc. O mesmo vale para qualquer outro momento da vida: assistir ao pôr do Sol, presenciar um acidente de carro, fazer aniversário, quebrar o próprio braço, beijar uma pessoa, levar um fora, comer pizza... Cada pessoa sente essas coisas de maneira diferente e por mais que ela tente te explicar nos mínimos detalhes, a pessoa que está ouvindo você jamais conseguirá sentir o que você sentiu, mesmo que ela já tenha vivido algo semelhante.


Sensações são intransferíveis e sentimentos também. O máximo que você pode fazer é demonstrar amor, raiva, ódio através de atitudes, mas por mais demonstrações que você dê, isso nunca vai ser aquilo tudo o que você sente por dentro. Não é porque uma pessoa nunca te disse “eu te amo” ou “eu gosto de você” que isso signifique que ela realmente não goste de você. Cada um sente e demonstra de um jeito, mesmo que esse jeito não seja aquele esperado por nós. O mesmo acontece com aquela pessoa que te trata bem. Quem é que garante a você que ela não vai te dar uma punhalada nas suas costas assim que puder?

6 comentários:

  1. Eu vi o cara no Jô. Impressionante como ele acha que fazer o que fez (diz que fez) na terra dele justifica qualquer atitude tomada após. É como se um ladrão justificasse o roubo dizendo que antes havia lavado a louça e ajudado a mãe dele em casa. O que esse cara fez na cidade dele foi a obrigação dele, e não há nada de extraordinário nisso.

    __________________________

    Ainda bem que ngm consegue levar essas coisas da gente neh. Imagine a bagunça q ia ser ,todo mundo trocando pensamentos, e etc...

    ResponderExcluir
  2. eu nao lembro o nome do filosofo q diz q nascemos como tabuas rasas e pelo q experimentamos vamos nos moldando e que cada um sente de forma diferente, logo dessa forma todos nós nos diferenciamos. ainda bem q temos coisas so nossas, lembramças e sentimentos q nos pertencem e nos individualiza. Recentemente eu vi uma reportagem onde tinham descoberto como apagar partes da nossa memoria, um bruto ato de terrorismo contra nós mesmo, visando apagar o q nos fez sofrer, já pensou tamanha afronta?

    ResponderExcluir
  3. Olá !

    Fiquei muito feliz com a sua visita ao meu Blog, viu? Obrigada!
    Sobre o texto : inegavelmente bom. De fato,o que há de intransferível em cada um de nós torna-se o bem mais valioso, posto que é único. Particularidades são o diferencial.
    Seu talento para escrever é um exemplo ilustrativo disso.

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  4. Oi tudo bem?
    Andei meio sumida mas tenho acompanhado seu blog =p
    Quando ao seu comentário, não, não sou eu lá!!! Porque, ao contrario da Stefhany, eu canto sem um pregador de roupa no meu nariz
    Hihihi abraços!
    Stephany - Olhar Blasé

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu post e seu blog.
    Realmente tem certas coisas que estão dentro de nós que nunca vamos conseguir expressar da maneira completa. É tudo muito complexo.

    TE convido pra visitar o meu blog, quando tiver um time.

    bjos

    ResponderExcluir
  6. O que você viveu, o que você pensa, o que você sente: tudo faz parte só de você e é o que te diferencia do resto do mundo.
    Esse post me lembrou de uma reportagem do Fantástico que falava de uma pílula que te faria esquecer de qualquer coisa que você quisesse esquecer. Daí vem a pergunta: p/ quê esquecer o que eu vivi se as experiências que eu tive na vida me trouxeram onde eu estou hoje, me fizeram o que eu sou?

    www.hoppipollablog.blogspot.com

    ResponderExcluir