domingo, 12 de abril de 2009

Velho pirata


O velho pirata abriu mão de várias coisas para ir em busca de um sonho: navegar o Oceano Azul em busca do mais valioso tesouro perdido.


Havia uma lenda que era contada de geração para geração na Vila Pirata. Ela tratava de um valioso tesouro perdido em uma ilha deserta do Oceano Azul. Batalhas navais foram travadas entre aqueles que navegavam em sua busca. Ninguém sabia exatamente que tesouro era esse, mas todos imaginavam vários baús lotados de moedas de ouro e pedras preciosas.


O velho pirata já havia afundado muitos navios e encontrado muitos tesouros perdidos, mas o seu maior sonho era encontrar esse tesouro lendário. Em sua última conquista, o velho pirata encontrou o valioso mapa deste tesouro, que já estava bastante surrado, na cabine do capitão adversário antes de afundar o seu navio. Ele sabia que era o mapa verdadeiro e passou noites em claro planejando navegar sozinho o Oceano Azul em busca do seu sonho de menino.


Ele era feliz com a sua família e sentia muita falta da sua esposa e de seus dois filhos pequenos enquanto passava meses no mar com sua tripulação. Gostava muito de ficar em casa e contar aos seus filhos todas as aventuras que tinha vivido Oceano Azul afora. Gostava também quando estava no mar, sentia-se feliz de que todos os seus amigos de tripulação fossem bastante valentes para enfrentar o que quer que fosse, visando conquistar todos os tesouros possíveis. Todos eles eram uma grande família onde era um por todos e todos por um. A viagem em busca do tesouro lendário seria uma busca solitária, pessoal, fazendo com que o velho pirata pensasse bastante se ele se arriscaria no Oceano Azul e se abriria mão de ficar meses, ou até mesmo anos, longe da família e dos amigos.


Era o sonho de menino do velho pirata. Ele não hesitava: ele corria atrás dos seus sonhos custe o que custasse.


Seu navio estava pronto para a partida. A esposa e as crianças estavam inconsoláveis, pois não sabiam quando veriam o velho pirata novamente. Seus amigos o abraçaram e lhe deram apoio para que ele navegasse em busca do seu mais ambicioso sonho. O velho pirata viajaria atrás do mais valioso dos tesouros perdidos, munido do mapa que só ele, sua família e amigos tinham conhecimento de que ele o possuía.


Sua viagem demorou sete anos! Batalhas, tempestades, monstros marinhos e mudanças de rota atrapalharam o seu caminho, adiando cada vez mais o sonho do velho pirata. Foram anos difíceis e se ele fosse qualquer um, já teria desistido do seu sonho logo no começo. Mas o velho pirata não admitia a possibilidade de pensar em desistir. Ele queria realizar o seu maior sonho e voltar para a casa. Sempre que algo dava errado, ele pensava na sua família e nos seus amigos. Ele queria proporcionar a eles orgulho e riqueza. Isso o motivava para seguir em frente.


Em uma ensolarada manhã de verão, o velho pirata finalmente encontrou aquela ilha deserta com um “X” marcada no mapa. Uma imensa montanha verde, palmeiras e uma praia de areia branca foram avistadas pelo velho pirata. Faltava muito pouco para alcançá-la. Mas algo inesperado aconteceu. Algo que nunca havia acontecido antes. Seu barco bateu com força em um rochedo debaixo da água, fazendo o seu navio afundar rapidamente. O velho pirata não podia carregar muita coisa com ele. Pôs o mapa em uma garrafa, tampou, guardou-a em seu bolso e jogou-se no mar, nadando até a praia.


O velho pirata pisou pela primeira vez no solo da ilha deserta dos seus sonhos. Ele sabia que estava muito próximo tornar seu sonho realidade. Ele levou três dias explorando a ilha em busca do tesouro, como também de comida e de um lugar para dormir. Até que um dia ele encontrou... O baú do tesouro estava enterrado perto da praia e ele pôde desenterrá-lo com a pá que havia ido resgatar nos destroços do seu navio. Cavou, cavou, cavou e desenterrou um baú que ele não esperava que fosse tão leve.


Estourou o cadeado com a pá e dentro do baú tirou uma garrafa com um pergaminho dentro dela. Era tudo o que havia ali. Não havia vários baús cheios de tesouros. Ele havia sonhado anos, tinha passado anos no mar, enfrentando as mais variadas adversidades em busca de um pergaminho dentro de uma garrafa?


Ele retirou o pergaminho, leu, terminou de ler e então começou a chorar. Aquele era mesmo o maior tesouro que qualquer um poderia encontrar, mais valioso do que ouro. O velho pirata já havia conquistado aquele tesouro havia muitos anos atrás. Resumidamente, o pergaminho dizia que o maior tesouro que ele poderia ter eram amigos e uma família feliz...


E AGORA, LEITOR? O que você acha que o velho pirata deve fazer agora? O que você faria se você tivesse realizado o seu maior sonho e ele não fosse aquilo tudo que você esperava?


A caverna: conforme avisado no último post, eu diria a vocês nesse aqui do que se tratava a caverna. Como o texto é cheio de situações metafóricas, resolvi disponibilizar aos interessados uma versão comentada completa, que você pode baixar clicando aqui.

11 comentários:

  1. eu vejo algumas metaforas aqui, sobre arriscar tudo para se conseguir algo q vc acha q vai lhe fazer melhor do q o q vc ja conseguiu em sua vida. Como uma decisão dessas é um risco pois no final nao se sabe se vc vai conseguiro q vc espera, surpresas como essa devem ser analisadas antes de tomar essa decisão.

    PS: Eu tenho um post, Arriscar ou Desistir, com essa temática de uma forma mais direta com uma avaliação minha desses caso

    http://confissoesdamadrugada.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Na realidade, isso vive acontecendo, todo dia... A gente busca certas coisas, crê nelas , mas não é tão raro descobrir no fim, que a coisa não era exatamente do jeito que a gente tanto anseou... Enfim: coisas da vida.

    No caso do pirata, a história me lembrou aquelas espécies de fábulas com lição de moral no fim. Gostei bastante!

    Não, meu querido, eu não colei. Já colei muito, confesso,mas não dessa vez. Li apenas a orelha do livro. Daí, eu desenvolvi o resto... Rsrsrs!

    Em relação à caverna, deixa eu clicar aqui embaixo e ver no que deu...

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Eu já imaginava o que estaria escrito no pergaminho. Mas esperava uma surpresa tipo: "Seu besta, só vc msm pra acreditar em tesouros". =P

    Mas eu no lugar do pirata, depois desta decepção, faria o seguinte:

    Produziria uma tinta com as folhas das plantas locais, improvisaria uma caneta com o caule de uma flor ou coisa do tipo e escreveria uma mensagem à minha familia no verso do pergaminho. Colocaria-o na garrafa e a jogaria no mar, na esperança d q alguém visse e me resgatasse. Se não me resgatassem, pelo menos morreria por minha própria culpa, com um belo bronzeado e muito louco.

    ResponderExcluir
  4. Retribuindo sua visita.
    Valeu por comentar no meu blog, ok?^^
    Bom...haviam muitos nadadores ótimos, sim, contra o Phelps (o Cavic, por exemplo, que só perdeu para o Michael por 1 décimo de segundo). É que o Ian Thorpe (nadador australiano - na minha opinião, era melhor do que o Phelps) já não nadava mais, desde 2006, senão teríamos uma briga boa entre eles, cara!!hehehehe
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Salut, P. Florindo! Primeiro, obrigado por ter visitado o meu Blog... A questão da multa é de revoltar.. Ainda que seja um país desenvolvido, nem os belgas respeitam a lei da faixa de pedestre.. Quando conto o ocorrido a amigos belgas eles se mostram assustados, porque ser multado por esse motivo é muito raro por aqui.. Digamos que eu estava em um dia de azar.. lol
    __

    Sobre o seu texto, se eu fosse o Pirata teria ficado um pouco revoltado com o tesouro... Depois de anos, de enfrentar e vencer tantos obstáculos, encontrar um pergaminho com palavras que diziam sobre a importância que ele tinha para os amigos e familiares... Teria pensando.. "Por que não me disseram isso quando, antes de partir, me despedi deles?"... Eu partiria em busca de outro tesouro, sem dúvida...

    À Tantôt!

    ResponderExcluir
  6. Eu me revoltaria se eu não tivesse o tal tesouro, mas na situação do pirata, com certeza eu ficaria feliz.

    Pois além de toda a travessia necessária para o retorno.. no final encontraria o verdadeiro tesouro.. a família..

    Gostei do texto, direto e simples, com alguns adicionais que já comentei.

    E gostei bastante da versão comentada do último texto, mesmo achando desnecessário esse tipo de abordagem, pois limita o texto a uma só interpretação, sendo que o texto bem escrito, após ser escrito, toma vida e fica ilimitado.

    Parabéns Peter ^^'

    ResponderExcluir
  7. Eu fiquei pensando, Quem teria enterrado esse pergaminho e feito o pirata pensar que era um grande tesouro mas ao mesmo tempo já sabendo que ele pirata já tinha tudo que merecia.... he he !!!!! to brincando !!!!!! acho que ver que o nosso maior sonho não era tudo aquilo que imaginávamos deve ser terrível, pior ainda não dar valor ao que já se tem e querer sempre mais e mais.......


    Ps. valeu os comentários no meu blog. t+

    ResponderExcluir
  8. Eu ainda acho q o normal do humano é o gosto pelo caminho da conquista... é sempre mais gostoso o período em que você corre atrás do sonho, quando isso acaba e vc chega ao seu sonho, não parece tão doce quanto você pintava em sua trajetória... O que fazer então? Traçar novos "maiores sonhos de sua vida"
    Beijos
    Stephany - blog olhar-blase
    http://www.olhar-blase.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Eu hein...rs, meio Alquimista que o tesouro mandava ele voltar ao lugar de onde começou. Sei lá, levando pelo lado filosófico da coisa é isso msm, mas... ficaria puto pra caramba, hehehe
    Abcs
    http://falandoprasparedes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Tentei baixar o texto da caverna comentado mas não consegui!

    ResponderExcluir
  11. Bom dia querido!

    Eu havia passado por aqui a unsdias atrás e lido o teu texto, muito bom por sinal, mas só pude vir hoje deixar o comentário...

    Bom, acredito que o que nos faz estar vivos é a certeza da superação de desafios, tipo, a busca da felicidade e tals...

    O texto ilustra, apra mim, que há coisas que não tem um valor material, entretanto são tão importantes quanto um tesouro. Mas ao menos, o pirata lutou por um ideal.

    Acho que se eu estivesse em seu lugar eu iria dar muita risada e soltar um sonoro "Filho da mãe!" (para não dizer outra coisa) "Você, seja lá quem for, está coberto de razão, sou o pirata mais rico do mundo. Agora, vou fazer de tudo apra retornar para o meu tesouro verdadeiro. " Afinal, como alguém disse: Onde está seu coração, é lá que está o seu tesouro!

    Ksio!

    http://garotapendurada.blogspot.com/

    ResponderExcluir