quarta-feira, 29 de abril de 2009

Síndrome de novela


Você conhece algum mocinho? Você conhece algum vilão? E alguém que vive uma síndrome de novela, você conhece?


O conceito do bem e do mal, assim como o conceito do que é certo e do que é errado, varia muito de pessoa para pessoa. Esse conceito leva em consideração principalmente a criação familiar, a visão da sociedade, o ponto de vista religioso, o nível intelectual e outros fatores menores como as experiências de vida e coisas assim.


O conceito do “bem” e do “mal” quase sempre é abordado em filmes e novelas. A abordagem não é feita de maneira explícita: os personagens não se reúnem em volta de uma mesa para debater o tema. O conceito de “bem” e “mal” fica implícito no decorrer da história. São raros os filmes e novelas sem o “mocinho” (o bem) e o “vilão” (o mal) e o final quase sempre é bastante previsível: o bem vence o mal.


O comportamento dos personagens quase nunca é analisado. Na maioria das vezes, os mocinhos têm uma imagem imaculada, faltando apenas uma auréola sobre suas cabeças. Os vilões são sempre diabólicos e carregados dos piores defeitos possíveis. Não existe uma análise de comportamento por dois motivos: primeiro, os filmes e novelas não foram feitos para servir de divã e, segundo, o público não está interessado em análise alguma e quer que o vilão pague por seus pecados no final.


Esse conceito de “bem” e “mal” é trazido para a realidade. Nós sentimos uma necessidade de analisar o comportamento alheio pelas primeiras impressões ou de acordo com o comportamento deles conosco. Na escola, era comum termos a professora “megera” que só tinha defeitos e aquela professora “boazinha” que era amada por todos. Talvez a primeira fosse apenas exigente e que, embora parecesse que queria reprovar a classe, apenas queria instigá-los a correr atrás do conhecimento, enquanto a segunda podia ser uma lesada que apenas queria estar de bem com os alunos.


A “síndrome de novela” é comum em jovens e adultos infantilizados. Podemos percebê-la atrás do comportamento das pessoas diante das novelas. Volta e meia, aquele vilão da novela das oito diz numa entrevista que seu personagem faz tanto “sucesso” que é ele abordado nas ruas e criticado por suas maldades na novela. O exemplo mais típico é o do BBB. Na 7ª edição, tivemos a separação da casa nos grupos do “bem” e do “mal”, liderados por Diego Alemão e Alberto. A Globo inteligentemente e visando a audiência (sinônimo: lucro), “novelizou” o BBB-7, “vilanizando” os arqui-inimigos de Alemão e Íris: Alberto e Felipe (curiosamente) Cobra.


Podemos perceber que a “síndrome de novela” é algo negativo quando não se sabe separar a realidade da ficção. Personagens de novela e participantes de BBB despertam amor e ódio. Existem aqueles fãs fanáticos que são doentes e vivem em função disso, participando ativamente de fóruns e sempre atentos aos canais de fofoca. O problema piora quando isso é trazido para a vida real e os “vilões” sofrem nas mãos dos fanáticos através de insultos graves ou até mesmo de agressões.


Todos nós somos bons e ruins, temos qualidades e defeitos e devemos ter noção da realidade. É claro que existem pessoas ruins, como criminosos e pessoas boas, como os Médicos Sem Fronteiras, mas ninguém é plenamente bom ou mau. A síndrome pode nos tornar injustos, podendo fazer um estrago na vida dos “vilões” que nem eram “vilões” de verdade. Sejamos justos e salvemos aqueles que vivem no mundo da fantasia, achando que vivemos em uma novela da Globo ou em algum filme de Hollywood.


PS: foto do filme “Enfermeira Betty” sobre uma fã da telenovela “A Reason To Love” que confunde a realidade com a ficção.

17 comentários:

  1. Unh... Em relação as novelas, realmente o conceito de bem e mal é bem definido (até porque o expectador médio não gosta da mudança dessa estrutura básica). Mas os filmes, esse são bem diferentes! É neles que podemos ver personagens bem desenvolvidos, seres humanos enfim. Inclusive no exemplo, A Enfermeira Betty, em que o médico idealizado nada mais é do que um ator egocentrico e os vilões violentos, possuem sentimentos e laços familiares.

    ResponderExcluir
  2. eu concordo quando vc colocar q nós somos muito complexos para sermos avaliados como bons ou maus, mas acredito q o q é certo nao varia assim como o q é bom.

    http://confissoesdamadrugada.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, mocinho!

    Ler a tua postagem me deu um certo alívio.

    Perceber como eu mudei a partir do momento em que parei de assistir a tanta porcaria só me faz ter a certeza que deveria ter tomado esta atitude a mais tempo.

    Sabe aquele lance "Desliga a TV e vá ler um livro"? Pois é, mais ou menos isso.

    Eu era muito imatura, piegas, vivia fora da realidade entretida com uma vida que não era minha...

    Parabéns pela postagem e pela forma lúcida que usou para 'trabalhar' o assunto.


    PS.: Sou fã dos teus textos!

    Kiso!

    ResponderExcluir
  4. Padrões de comportamento hoje são transmitidos em larga escala pela TV através das novelas, filmes e séries. Isso não é novo. Basta lembrarmos do papel de Walt Disney durante a Segunda Guerra Mundial e depois disso é história.

    Existe até uma pesquisa condicionando o hábito de assistir novelas ao aumento do número de divórcios. É uma pesquisa séria, preciso lembrar do link onde vi ( foi no site da BBC).

    E percebo que as populações, em geral, seguem cada vez tais padrões. Não se trata de superestimar os efeitos da TV, mas também não podemos subestimá-los, ainda mais em um país com sérios problemas educacionais e que há ao menos um aparelho de TV em 90% dos lares.

    abs! Muito bom o seu texto, parabéns!

    http://grooeland.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Ah cara, essa historia bem e mal é um saco. Já passei mto por isso. Todos me criticando como vilão por expressar minha opinioes e nao me fazer de santo nao nao queria ser.

    Analisando um pouco... as pessoas que julgam as outras, rotulando-as como malvadasm está sendo boa? Não passa de outra vilã falando mal da outra. Enfim...

    Como vc disse, todos somos anjos e demonios e eu acho isso o maximo.

    Putz cara, eu to mto mal d comentário ultimamente. =/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Peterson! O que você disse é a mais pura realidade. As pessoas hoje costumam misturar tanto as coisas que passam a agir irresponsavelmente, achando que a vida é apenas mais uma edição do BBB. Parece que as pessoas estão "emburrecendo"... E isso é muito grave. É a imagem do país como um todo que está em jogo. O brasileiro é muito sucetível a modismos e a viver uma vida que não lhes pertence.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. Para viver precisamos rotular tudo, o sortudo, a boazuda, o vilão, o invejoso, a santa, etc. Da mesma forma que precisamos definir um estilo musical como se esse ditasse quem realmente somos.
    Por isso, acho que cada um pode ser o que quiser o tempo todo, ninguém é nada, as pessoas estão e nunca são...

    ResponderExcluir
  8. Interessante sua abordagem...

    Conheço pessoas, poucas, que são malucas por novelas e passam boa parte do dia (pois à noite estão na frente da TV) falando de novelas... Não fico ouvindo muito tempo e vou embora :)... Não gosto muito de novelas, mas prefiro os vilões que os mocinhos hehehe.

    ResponderExcluir
  9. Bem e mal, verdade e mentira, branco e preto, coragem e covardia, riqueza e pobreza. Parece que a vida humana é regida por antônimos. Não se fala dos nuances, dos tons de cinza, dos equilíbrios, nem das ambiguidades.

    ResponderExcluir
  10. Novelas e Filme são obras de ficção certo?!
    Todo aumento do drama é só pra da mais clímax na novela, por isso q tudo da errado pro mocinho no começo .. o vilão sempre morre no final ... e a mocinha convive com o drama!

    Por mais que tente aproximar da realidade a obra .. ela com certeza perderá sua graça seu charme e encanto... a gente quer vê é algo inusitado mesmo ... imagina se tudo fosse igual a realidade.. nem precisaria ver a novela...

    o certo é dramatizar .. transformar os amores em momentos polvorosos e felizes ... o problema é que muitos não consegue dividir isso .. o q pode explicar o aumento de divorcio (citado pelo comentário acima) ... tv tem a mania de nos mostra que tudo é simples e pode ser perfeito ... mas essa magia só a TV tem ... é o pó “plim plim” da globo.

    A manipulação da Globo no país é clara e visível .. mas tb uma emissora que tem 90% da audiência no Brasil .. onde kase toda casa por pior nível que seja tem uma TV.. fica fácil lançar uma novela com passagem na índia e vender lenços indianos e falar que é tendência!

    Mas o problema nem é tanto a TV ... nós tb nos deixamos ser manipulados .. a TV só existira se tiver alguém pra assistir!

    Belo blog .. ótimo post! Parabéns

    ResponderExcluir
  11. quando vi na televisão o ator falando que é parado na rua para as pessoas falarem para seu personagem deixar de ser mau, dei risada. sério, como alguém ainda não consegue ator de personagem, não sabe que também não é o ator quem decide as coisas? haha, alienação total

    ResponderExcluir
  12. Esse post tem tudo a ver com um negócio que eu estava estudando ontem sobre a função social da moral, no campo normativo e no fatual. Assim, que existem valores morais, existem. E eles estão escritos no código de ética. Ainda que todo mundo faça o contrário, a sociedade sabe que não devemos ser corruptos, cobiçar a mulher do próximo, etc. Embora o fatual nem sempre seja igual ao ideal proposto pelo normativo da moralidade, traz uma certa segurança saber que pelo menos não vivemos na gafieira do samba do crioulo doido, né? Apesar disso, eu acho que hoje as novelas estão bem melhores em relação a essa coisa do "bem" e do "mal" absoluto. Exemnplo disso são os vilões que caem no gosto do povo e escapam impunes, como foi o caso do Olavo, de paraíso Tropical. Inevitavelmente, o carisma supera a falta de caráter, e isso não é coisa só de novela. ótimo texto,.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. O que nos resta é nos ligarmos à "liga do bem" ou à "liga do mau" agora, concorda? (esses termos são usados na novela "Os Mutantes -e não, eu não assinto, mas em 1 capítulo só os termos são usados mais de 30 vezes). Pensei que eu nunca ouviria esses termos depois dos meus 6 anos de idade, porque pra mim isso é coisa de desenho infantil, mas a Record se superou e usou em uma novela. Gratz.
    Gostei muito do seu texto, proponho a vc fazer um no mesmo estilo, porém sobre máscaras/falsidade. Afinal, ninguém aqui é falso a ponto de afirmar que não é falso. Acho que vc faria um texto legal sobre o tema e como a falsidade é necessária em alguns momentos da vida, principalmente para um bom relacionamento com outras pessoas.
    Beijos
    Stephany

    ResponderExcluir
  14. Hahahaa anotado!
    Peguei o link e irei ler seu texto =p
    Sorry!

    ResponderExcluir
  15. Olá!

    Desta vez, vim para lhe avisar que meu blog ganhou um selo e repasso ao seu.

    Não sei se já se rendeu a brincadeira, mas como a intenção é repassar para blogs que admiro, tua página está na minha lista, sabe? rs...

    Kiso!

    ResponderExcluir
  16. As pessoas novelizam as próprias vidas, as vezes nós que temos blos vemos isso por aí em posts "novelinhas" rs. Peterson tenho que te falar que eu tinha um certo preconceito com o seu blog, pq eu chegava aqui e tinha uma coisa enorme pra ler, as vezes pelo título do post eu já não me interessava e realmente ler uma coisa gigante que não te agrada é ruim, mas eu mudei o meu conceito, venho aqui e realmente gosto do que leio =). Beijooos!

    ResponderExcluir
  17. Me lembra meu post 'tons de cinza'

    ResponderExcluir