sábado, 14 de março de 2009

Conclusões precipitadas


Algumas pessoas pagam psicólogos porque são pessoas que se dispõem a lhes ouvir. Muitas pessoas falam sem saber tirando conclusões precipitadas.


Quem nunca se lamentou dizendo “ninguém me entende”? Se nunca disse, um dia dirá. Não é sempre que isso soa como um exagero. Algumas vezes, isso demonstra uma frustração de não se fazer entender ou de que as pessoas realmente não têm empatia.


Muitas pessoas não têm paciência para ouvir aos problemas dos outros, além de muitos detestarem quando alguém os procura para esse fim. Realmente, nunca é agradável e é preferível que as pessoas nos procurem para compartilhar coisas boas ou então, para saber como você está. Dispor-se a ouvir aos problemas de alguém é uma forma de ajudá-los. Ao desabafar, a pessoa se sentirá mais aliviada e menos angustiada e vocês poderão conversar e procurar uma solução racional.


Quando você está se sentindo mal e precisa conversar, você procura um amigo ou alguém da família. A maneira mais grosseira de não querer ouvir aos problemas de alguém e deixar isso bem claro é xingar, ou pior: ridicularizar a situação. Quando se é tratado dessa maneira, você se decepciona e se magoa com essas pessoas – ou ainda, cai na porrada.


Entretanto, há pessoas que se dispõem a te ouvir, mesmo que a contragosto, seja por ser seu amigo ou familiar ou seja por não gostar de ver os outros mal. Nem sempre, se dispor a ouvir ajuda, algumas vezes atrapalha e também gera decepção. Qual o motivo? Conclusões precipitadas.


Você demonstra estar tirando conclusões precipitadas quando você não deixa a outra pessoa se expressar plenamente, através de interrupções ou frases que insinuam que você já ouviu o suficiente e quer pôr uma pedra no assunto, tais como: “acontece”, “vai passar”, “pense positivo” e etc.


Não se tira conclusões precipitadas somente ao ouvir aos problemas de outras pessoas, mas como também quando envolve problemas de modo geral.


Tirar conclusões precipitadas é muito comum quando você julga uma pessoa e suas atitudes. Já escrevi sobre isso uma vez ao abordar o preconceito. Muitas pessoas tiram conclusões precipitadas sobre as outras sem realmente conhecê-las a fundo, sem querer saber por que ela tomou ou deixar de tomar determinada atitude. Muitas pessoas não sabem nada sobre a vida dos outros e vão tirando conclusões precipitadas, dando rótulos (majoritariamente negativos) como “invejoso”, “fraco”, “pessimista”, “falso” e etc.


Um Big exemplo desse tipo de comportamento acontece na relação público-participante com o famoso reality-show “Big Brother Brasil”. Meu objetivo não é nem criticar nem defender o programa, apenas usá-lo como um exemplo.


Embora muitos digam que o programa causa “atrofia cerebral”, seja “uma merda”, que seja “tudo armação” e outras coisas, eu não vejo o programa por esse ângulo. Eu o vejo como um programa de entretenimento como qualquer outro e também como um reality-show (show da realidade) mesmo, como o gênero do programa diz. Através dele, podemos perceber do que as pessoas são capazes de fazer em busca do prêmio (mentir, trair os amigos, fazer fofoca...) e também podemos ver nos participantes virtudes (amizade, coragem, maturidade...) e defeitos que todos nós temos (inveja, ciúme, egoísmo, falsidade...). A grande maioria do público não assiste ao programa por esse ângulo e sim, o assistem movidos pela libido e pelo prazer em projetar os seus defeitos e frustrações nos participantes.


Para que possamos de fato entender um problema ou as atitudes de uma pessoa, devemos tentar saber ao máximo sobre o problema ou a atitude, pois o lado emocional de uma pessoa é sempre afetado nessas situações. Você precisa ter empatia em situações como essa, ou seja, ter a capacidade de identificar-se totalmente com o outro. Quando você tem empatia ao ouvir aos problemas de alguém, ele se sentirá bem melhor. Isso pode não resolver o problema, mas sem dúvida ajuda, e muito! Em relação a julgar as atitudes dos outros, você precisará conhecer a sua história de vida (que poucas pessoas gostam de compartilhar), suas crenças, seus valores e o que lhe faz se sentir bem e feliz.


Não devemos falar do que não sabemos e devemos procurar entender realmente as coisas antes de dizer qualquer coisa. Quando você tira conclusões precipitadas, você promove coisas negativas como o desapontamento do outro em relação a você, a indiferença, a mancha na sua reputação e também a injustiça.

10 comentários:

  1. Julgamentos precipitados, preconceitos, e outras linhas desses comportamentos são praticados por pessoas egoístas.

    BBB é de certa forma um espelhinho do nosso povo. Vemos ali as pessoas sob determinada situação na qual evidenciam-se esses defeitos e as qualidades também. Ninguém é perfeito, isso é fato, mas, todos sabemos que é possível melhorar, porém a maioria das pessoas se considera bom o suficiente pra precisar melhorar para os outros (ou seja, egoístas).

    Parabéns novamente pelos sempre bons posts, grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ah, já tava com saudade de ler um post bem escrito nesse mundo.

    Então, sei bem como é essa parada de não ser compreendido. Sempre fui (e sou) um cara compreensivo, sempre ouço todo mundo seja lá qual for o problema, mas quando eu rpeiso kd todo mundo? Já até me acostumei a ter q conversar cmg msm qdo preciso. Sobre dar conclusões precipitadas, não há nada pior q isso. Por mais que a pessoa tire uma conclusão às vezes é melhor guardá-la pra si.

    ResponderExcluir
  3. Uma das frases que mais esculto com receio e evito ao máximo dizer é: "Ah, se fosse eu..."

    É claro que se fosse você, qualquer que seja a situação, a reação seria diferente. Poderia até ser melhor, mais positiva e acertada.
    Mas já parou para pensar na vida desta pessoa, em sua formação, em suas experiências, sua família, suas carências, seus traumas, suas angústias, seus medos e sua personalidade?

    É normalmente assim que respondo quando ouço algo assim. Este tipo de conclusão precipitada, ao meu ver, é o mais desprezível.

    É impossível e imaturo nos colocarmos no lugar do outro, apenas para julgá-lo.
    Temos é que tentar entender os outros, deixando os nossos conceitos e julgamentos de lado. Para conhecer melhor, entender melhor e realmente ajudar a um amigo que vem a nós precisando de ajuda.


    Falando de BBB. Realmente é possível tirar um BOM proveito do programa. Eu mesmo assisto mais com este propósito. Conhecer melhor o ser humano e do que ele é capaz.
    É claro que o programa poderia ser mais REALITY do que SHOW. Mas fazer o que... não?


    ****
    Voltou a escrever \0/

    Tens que fazer isto mais e mais vezes...
    Qualidade, assunto e base para isto você tens...


    Abrss

    ResponderExcluir
  4. Conclusões precipitadas
    Djunks

    Tentei não te julgar pelo que me falaram
    Tudo que eu não queria ouvir
    Sempre procurei dizer
    Nunca tirem conclusões precipitadas de alguém

    Quem nunca errou com você
    E teve que pedir perdão
    Quem já viu um amigo falar mal por trás
    Quando você não está lá pra revidar

    Nada vai modificar meu pensamento
    Qual verdade devo acreditar?
    Sempre procurei dizer
    Nunca tirem conclusões precipitadas de alguém

    Quem nunca errou com você
    E teve que pedir perdão
    Quem já viu um amigo falar mal por trás
    Quando você não está lá pra revidar

    Quem nunca errou com você
    E teve que pedir perdão
    Quem já viu um amigo falar mal por trás
    Quando você não está lá pra revidar

    ResponderExcluir
  5. Acho que às vezes é melhor nem dar a opinião sobre o problema alheio. Deixar a pessoa desabafar livremente e depois encontrar suas próprias soluções pode ser uma boa. Ás vezes a pessoa precisa mais de um ouvido do que de uma outra boca.
    Ah, realmente muito interessante o seu modo de ver o Big Brother!


    (www.pollyok2.zip.net)

    ResponderExcluir
  6. é um mal de muitos julgar , falar algo sem antes sabe de q fonte estar vindo!! belo o seu post!!!

    ResponderExcluir
  7. Então cara, sei que vc não gosta, mas só to passando pra avisar que meu blog mudou.

    Você era seguidor no antigo, então se quiser ser no novo...

    www.gramaazul.blogspot.com

    Abç

    ResponderExcluir
  8. hum,
    é melhor ter provas antes de abrir a boca neh
    odeio quando
    alguem
    culpa sem saber ;s

    ResponderExcluir
  9. Creio que as pessoas tiram conclusões precipitadas de forma automática, até mesmo aquelas que não gostam de fazê-lo, acabam fazendo em algum momento, seja porque não conseguiu ver outro ãngulo da situação, não se aproximou da realidade ou mesmo porque fez um mal juizo, coisa corriqueira nos dias de hoje, quando as pessoas se apresentam umas às outras aos poucos, e você pensa, "puxa, o fulano é bem melhor do que parece", ou "o meu santo não bate com o dele, não adianta", pra logo depois dizer "ele subiu/caiu no meu conceito", etc. etc.

    Só não concordo num ponto com o seu post: a questão de quando uma pessoa fala "isso acontece", "vai passar" pra outra que está desabafando, caracterizado como conclusão precipitada: muitas pessoas não sabem o que dizer nas horas de desabafo, e acabam usando dessas frases prontas, talvez não por achar a conversa chata, mas sim por não saber o que dizer, nunca ter se deparado com uma situação parecida, essas coisas... tem pessoas que sabem ouvir melhor que outras... e até mesmo as pessoas que dão bons conselhos e escutam o desabafo de outrém, podem tirar conclusões precipitadas baseadas nos seus próprios ideais e visão de mundo e de valores.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir