quarta-feira, 30 de julho de 2008

Na-nani-nani-na-não

Receber um “não” quase sempre é algo frustrante. As reações que essas três letrinhas geram são variadas.


Uma vez, a apresentadora de TV Xuxa Meneghel deu uma entrevista a um programa da Rede Globo promovendo a sua primeira gravidez. Nessa entrevista, ela foi questionada sobre qual seria a parte mais difícil na educação de sua filha. Ela disse “eu acho que dizer não”. Talvez essa não seja a parte mais difícil, mas que é muito complicada, ah... isso é!


Vamos pegar como exemplo uma típica criança mimada. Uma das coisas mais burras que os pais podem fazer é levar o seu filho junto deles para qualquer estabelecimento comercial, como supermercados, lojas de brinquedo e lanchonetes. A criança fica encantada ao ver vários doces e brinquedos e, seduzida por estratégias de marketing que ela não conhece, começa a importunar seus pais para comprarem o que ela deseja. Se o que ela quiser for baratinho, os pais até compram, mas se for vários deles ou demasiado caros, os pais se vêem obrigados a impor limites...


- “Marcelo Augusto, NÃO”!


O poder do “não” na criança culmina em revolta e logo aquela criança mimada começará a berrar como se estivesse sido incendiada, chamando imediatamente a atenção das pessoas ao redor. Os pais, já constrangidos e não dispostos a continuarem a ser alvo dos olhares dos curiosos, cedem a compram o que a criança quer. Falha dos pais! Primeiro por levarem consigo seus filhos e, segundo, por terem sido egoístas ao preferirem evitar o constrangimento pessoal ao invés de fazer o certo e impor certos limites.


Dizer “não” para uma criança birrenta é uma faca de dois gumes. Se você aceitar o que a criança exige, você não a educa, mas você se polpa de toda a sua birra; e se você disser “não”, você vai impondo respeito e limites, mas agüente a cólera da criança (alguns pais batem em seus filhos para silenciá-los algumas vezes).


Crianças e adolescentes tendem a receber um “não” de maneira negativa, tornando-se rebeldes e algumas vezes, agressivos. Para eles, ouvir um “não” é como se fosse um decreto seco e totalitário. É como se seus sonhos ou anseios tivessem sido considerados bobagens. Sua ira ou frustração serão dos mesmos níveis dos seus sonhos ou anseios. Se o que era desejado era considerado muito importante, a ira ou frustração será muito grande; se o desejo não for tão grande assim, a ira ou frustração desaparecerão rapidinho.


Uma boa maneira para lidar com as crianças é procurar compreendê-las. Os pais precisam compreender que são crianças que ainda não tiverem as mesmas experiências de vida que eles já tiveram no passado. É errado tratar uma criança como se ela fosse capaz de entender todas as regras do mundo adulto... o que é certo e o que é errado. Os pais precisam estar ali, dispostos a entender as razões de seus filhos e, quando forem dizer “não”, devem explicar para a criança os motivos da negação, explicando o porquê da recusa ser melhor para a criança.


Já os adultos recebem o “não” de uma forma mais madura – exceto aqueles que foram crianças mimadas e que assim permaneceram até a vida adulta. Quando um adulto recebe um não, ele procura argumentar o motivo da recusa. Se a resposta tiver sido convincente, ele aprenderá algo com esse “não”. Se ele acreditar que ainda vale a pena lutar por esses objetivos, ele procurará meios de alcançá-los. Mas caso tenha sido convencido que desistir tenha sido o melhor para ele, ele desistirá.


A maneira como você reage a um “não” diz muito sobre a sua personalidade. Você precisa ter a maturidade para entender o motivo do “não” e, caso o motivo da recusa tenha sido convincente ou não, você deve agir como adulto e evitar conflitos. Corra atrás dos seus objetivos se você acreditar que eles valem a pena. Desista se não valorem o esforço. E não encare um “não” como uma barreira, mas sim como uma oportunidade para que você cresça como pessoa, descobrindo o caminho correto para você chegar aonde você quer.

17 comentários:

  1. a educação de uma criança é, no meu ponto de vista, uma coisa extremamente complicada, porém necessária. Meus pais nunca usaram de castigos físicos comigo e acredito que isso me fez um adulto melhor, que sabe discernir com maior clareza, fora todas as outras coisas na educação que tive, que devo a eles. E receber um não é realmente difícil, mas como vc disse, têm-se que lidar com isso.

    e adorei o nome da criança fictícia: Marcelo Algusto, hahahahaahaha me lembrou uma criança super mimada com o cabelo lambido e cara de entojo

    =D

    ResponderExcluir
  2. **Augusto hein! Augusto!

    XD

    ResponderExcluir
  3. Olá...realmente é uma questão delicada essa...depende muito da educação que os pais vão dar...os valores adquiridos...certo e errado...enfim...é preciso ter cuidado para nao ter consequencias futuras...

    ResponderExcluir
  4. É verdade, educar uma criança hoje em dia, qndo temos ai a tv influenciando mto, é realmente complicado.
    Devo ao mesmo pais no que me tornei.. Sei ouvir um não e pretendo fazer com que meus filhos tbm saibam... Meus pais nunca me bateram e assim tbm vou fazer com meus filhos.. Violencia não leva a nada!!
    Mto bom o blog!

    Da uma olhada no nosso!

    http://rosarenan.blogspot.com/

    Rosa Araújo

    ResponderExcluir
  5. Falar não, princiaplmente quando está-se criando um filho, é muito mais difícil do que falar um sim. O não exije justificativa, argumentação e isso demanda tempo e paciência. Talvez se os pais, de uma maneira geral, se dessem mais ao trabalho de falar e explicar os "nãos",tivessemos uma sociedade formada por pessoas mais tolerantes, mais conscientes.

    mas enfim, o "sim" é muito mais prático, não carece de explicaçãoes e satisfaz pelnamente, ao menos no momento.

    Bom texto.

    Abs
    Raquel http://raquelrfc.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  6. Nessas situaçoes de birra em publico as vezes me dá a impressao que o pai faz isso SOMENTE para que a criança para de o constranger com o seu escandalo, e só.

    Mas é meio complicado. A gente diz várias vezes NAO mas tem criança que é teimosa e pirraça, e ás vezes é melhor deixar literalmente "quebrar a cara" pra aprender que é pro seu proprio bem. Com adolescente então, é a mesma coisa...

    Abçs!!!! Otimo assunto e muito bem abordado. Vc escreve bem.

    Agora, convido você a discutir sobre esse assunto:

    ----------------------------------
    Ô Aperto!!!

    http://emlinhas.blogspot.com/

    EM LINHAS...
    Quando as palavras se tornam o nosso mais precioso divã.
    ----------------------------------

    ResponderExcluir
  7. Ja fui uma dessas crianças birrentas que faziam o barraco no supermercado por causa de um brinquedo,hoje ja sou educado e me contento com um simples não.

    ResponderExcluir
  8. Mas , margarina? Será que não vai "melecar" mais ainda ? Eu já ouvi que colocando amido de milho, ou talco, deixando absorver e depois lavando, dá certo. mas eu não coloquei essa dica pq não testei ainda.

    Quando tiver chance testo com a margarina tbm, pra ver qual resolve ;)

    PS. Já comentei esse post ontem.

    Abs
    Raquel

    http://raquelrfc.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  9. É a maneira de ensinar como funcionam os limites de cada um.

    Uma criança que recebe tudo de mao beijada e sem ter que ultrapassar dificuldades(os "naos" sao obstáculos também) acabam se tornando adultos infantilizados que nao tem força de vontade nenhuma e nem sabem o que querem da vida(por que em geral pessoas muito ricas caem na depressao e no vício das drogas).

    ResponderExcluir
  10. nao tenho filhos ( ainda) mas imagino como é complicado dizer não as crianças principalmente as pequeninhas que nao compreendem o porque do não...
    eu fui muito mimada.. filha unica e tal... mas meus pais sempre me disseram nao quando necessario !a vida até hoje me diz varios nãos e eu sigo buscando o sim por aí...
    otimo post ...

    www.daniilopes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Esse tema é muito importante!
    Se os pais soubessem dar mais nãos aos filhos (em uma grande parte dos casos), a educação geral dos filhos seria melhor.
    A falta de limites causa danos que muitas vezes a criança guarda por toda a vida!
    Parabéns pelo blog!!!

    www.esperaemdeus.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Realmente a falta de limites é um agravante na criação de uma criança, mas é importante notar que um "não" não é um limitante, e sim apenas uma negativa, como diz o texto, implicitamente.

    Bom texto. Abraço

    ResponderExcluir
  13. Ahhh mas o que aconteceu com ele hoje minha gente? Será que ele esta pretendendo ser pai? sera que ele já é um pai? rsrs
    Brincadeiras a parte, educar uma criança é dificil, mto mais dificil do que imaginamos.

    Beijos, obrigado pela visita.
    ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  14. É, realmente essa parte do "não", é uma parte bem complicada, não só na educação de crianças, como para um adulto ou adolescente q recebe um "não". Oque acho chato,´é ver pais maltratando seus filhos, pq estes não entenderam o motivo da repressão. Esse assunto todo é muito complicado. É difícil repreender os filhos, e ao mesmo tempo fazê-los entender a repressão. É difícil para quem recebe o "não" aceitar isso (independente das idade), porque nos sentimos "humilhados" ou "ignorados".

    ResponderExcluir
  15. Dependendo da situação, um "não" pode ajudar muito mais que um "sim".É preciso saber quando dizer esta palavra. BOm texto

    ResponderExcluir
  16. Ouvir um não é muito chato mesmo, acho que sou uma dessas pessoas que foram mimadas quando crianças e que até hoje não suporta um não. Mas como um amigo meu sempre diz, o não já existe, o diferente é o sim. É mais fácil levar um não, do que um sim, que é coisa rara. Só fico muito chateado quando levo um não nas coisas que quero fazer, não muito nas coisas que quero ter.

    Nos visite também.

    Bruno Monin > www.BloGZinho.com

    ResponderExcluir