domingo, 24 de fevereiro de 2008

Cotas nas universidades

Algumas pessoas tiveram acesso a boa educação e outras não, mas isso não significa necessariamente que estas são melhores e mais capazes do que você.


Eu já estava a algum tempo pretendendo escrever sobre esse tema, mas eu não o havia feito antes por pura preguiça. Na madrugada de hoje, eu estava lá na sala vendo “Altas Horas”, programa apresentado por Serginho Groisman. No programa dele, há um quadro, já no final do programa, onde ele chama alguém da platéia para bater um papo cabeça (para mostrar que os jovens têm cérebro, apesar de não demonstrarem isso). Foi solicitado ao escolhido pôr a mão dentro de um tipo de caixa e de lá retirou um quadro com o seguinte tema a ser debatido: cotas para negros nas universidades.


Serginho perguntou a ele qual era sua opinião e ele se disse contra a reserva de cotas. Então, Serginho o questionou por que ele era contra. O estudante disse que acha essas cotas são uma falta de respeito com as pessoas de outras culturas. Esse praticamente foi o argumento mais longo do estudante que não tinha muitos argumentos para dizer por que era contra. A partir daí, o Serginho (ou a Globo) se mostrou uma pessoa claramente a favor da reserva de cotas ao questioná-lo: quantos alunos negros há na sua turma?


Em minha opinião, essa é a típica pergunta de quem quer provar que negros são coitados e que precisam dessas tais cotas para poderem progredir na vida. Na verdade, acredito que esse argumento do Serginho é praticamente igual ao do governo ao defender as cotas nas universidades: “O Brasil tem uma dívida moral e social com os negros”, tendo em vista de que eles foram escravizados até 1888 (no mínimo, porque é claro que houve negros que foram escravizados até bem mais tarde).


É claro que o Serginho não esperava ouvir uma resposta do tipo “muitos não entram na universidade porque a grande maioria dos negros não tem essa ambição”. O argumento do Serginho seria algo do tipo: “por serem descendentes de escravos, muitos afro-descendentes são pobres e seus pais não têm condições financeiras de oferecer uma boa educação aos filhos”. Isso não passa de um racismo descarado, um apartheid contra os que não são negros e ainda é, uma ofensa aos negros.


Muitos negros reclamam de serem vítimas de racismo e preconceitos, mas os que defendem as cotas não passam de um bando de hipócritas, pois estão aceitando suas posições de coitadinhos. Eles não são uma raça forte e lutadora? Então por que não demonstram essa força ao lutarem de igual para igual contra brancos, índios, pardos e pessoas de outras raças para ingressarem na universidade?


Muitas pessoas pobres, brancas ou não, já provaram que sim, que é possível competir de igual para igual contra estudantes de outros estados, com um nível cultural e social mais elevado e que tiveram acesso à boa educação, mesmo que essas pessoas pobres não tendo tido acesso a educação de qualidade. Mas eles chegaram lá, venceram honestamente, sem precisarem de nenhum tipo de caridade para mostrar que são capazes.


E todos são capazes. Dificuldades todos nós temos na vida e covardes são aqueles que têm medo de enfrentá-las e escolher o caminho mais fácil de se “darem bem”. As coisas não caem do céu e para se ter sucesso na vida, você depende de muito trabalho duro, dedicação e uma vontade sincera de vencer na vida. É importante que cada um descubra por si próprio de que é capaz de enfrentar qualquer dificuldade, de que é forte e de que tem potencial para ser o que quiser. Você precisa manter a cabeça erguida e saber valorizar todas as suas vitórias, das menores, às maiores.

18 comentários:

  1. Quem melhor para falar disso do que o Negão Internauta? (na verdade, muita gente...)

    Tenho vergonha de certos negros que usam a suposta divida social como argumento para cotas raciais. Os credores dessa dívida já morreram a tempos. Mas uma coisa é certa: pobre tem muito menos chances de entrar numa boa faculdade pública.

    Não é fácil, pelo menos pra mim, tomar uma posição com relação às cotas. De um lado, sou um negro pobre que conseguiu entrar num bom curso (Engenharia Civil) de uma faculdade pública e acho que outros negros são capazes.

    De outro está o modo que a sociedade ainda encara o negro. Afinal, o ladrãozinho favelado que rouba sua carteira é sempre negro.


    Acho que as cotas não podem resolver um problema, que é a falta de oportunidades, mas gera outro, que é a ira das pessoas que se sentem prejudicadas por elas.


    O assunto é mais delicado do que parece e por isso mesmo as cotas mereciam ser mais discutidas. Talvez se encontrasse um melhor meio de favorecer não só aos negros, mas sim aos menos favorecidos financeiramente.


    Ótimo texto o seu.


    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. É basicamente isso mesmo.

    Cotas pra negros nas universidades é como dizer que eles são incapazes, minoria, coitados, sendo que eles não são, assim como eu, nem você, nem ninguém. todos somos capazes!

    ResponderExcluir
  3. Olha...
    Devo me colocar contra a sua posição, pois sou sim favorável às cotas.
    Por que?
    Por que é uma política de inclusão social e educacional, a curto prazo, obviamente.
    Não creio que deva ser a única, mas por que não poder ser uma das medidas, se é possível, por que não fazer?
    Definitivamente é um debate complexo, não sou negro, mas sinceramente não vejo com tantas reservas este recurso, desde que contextualizado.

    Abçs,
    Abel

    ResponderExcluir
  4. Não é por causa de uma cor da pele que você quer dizer que é burro ou inteligente,pois se você tem cerebro,estudou para caramba é capaz de entrar numa universidade sim.

    Sou contra as Cotas por isso,pois ninguem tem que se fazer de coitadinho para entrar na faculdade,para entrar você prescisa é só estudar e ser capaz


    beijos

    meu blog:http://www.squirrel.zip.net

    ResponderExcluir
  5. Cotas: realmente é difícil falar sobre o tema mas uma coisa eu concordo: todos são capazes.

    ResponderExcluir
  6. A dívida social com os negros no Brasil existe sim, mas a miscigenação de raças fez esta dívida se extender à mulatos, pardos e brancos. Sou a favor de cotas, mas não da forma como elas estão sendo aplicadas. A cota deveria existir para classes sociais menos favorecidas, independente da raça. Mas isso exige um trabalho árduo de fiscalização e análise de nossos governantes e é, claro, no Brasil torna-se praticamente impossível que seja implantado de uma forma séria. Acabaria transformando-se em mais uma brecha para oportunistas, assim como as cotas para negros.
    De qualquer forma, é preciso agir em prol das classes menos favorecidas, pois é óbvio que um estudante de classe média/alta tem muito mais chances físicas e psicológicas para sobresair-se à outros.
    Enfim, se a cota para negros está realmente tapando o sol com a peneira, mas é um primeiro passo para uma medida que realmente faça alguma diferença.

    ResponderExcluir
  7. Meu marido é um belo exemplar de homem negro,passou no vestibular da Universidade de Brasilia entre outros concursos com excelente colocação e realmente não é a cor da pele que indica capacidadede um ser humano e sim oportunidade sociais e estrutura familiar,fisica,emocional e por que nao dizer espiritual,no melhor sentido da palavra.
    Vi esse fato no Serginho e ele realmente deixou o bobão do menino sem ter o que falr.Bem feito!!
    enquanto nao temos uma politica social de igualdade ainda sera necessario as cotas para suprir parte da injustiça,mesmo sendo deficitario. Só quem vive em dificuldade é quem sabe.
    E viva as diferenças!

    ResponderExcluir
  8. Também sou a favor das diferenças. Mas querer enconder-se atrás delas para justificar a concessão de privilégios (e aqui me refiro às cotas) é errado.

    Sou contra as (qualquer tipo de) cotas nas universidades públicas. Até concordo que, como estas são mantidas com os impostos de todo mundo, então todo mundo tem direito a uma vaga. Mas as cotas são um meio equivocado de garantir que todos tenham acesso ao ensino superior. Elas simplesmente são um paliativo. O real problema, na minha opinião, reside na deficiente educação básica que está à nossa disposição nas escolas públicas. Quando negros, brancos, ricos e pobres tiverem acesso a uma educação pública de alta qualidade, ficará (ainda mais) evidente que concessão de privilégios a quem quer que seja não é o ideal.

    ResponderExcluir
  9. Criar cotas nas universidades é a mesma coisa que dizer que negros não são capazes de conseguir uma vaga com seu próprio esforço. Acho que todos devem passar pelo mesmo processo de seleção, e não através de cotas. Isso já é um ato de racismo.

    ResponderExcluir
  10. Valew pelo comentário em meu blog!!!^^
    Mas, fica frio, todo pé velho tem um chinelo podre,,, Ôo
    é alguma coisa assim, sou péssimo em dito poppular..

    Ma vc abordou um otimo assunto, sou contra a cota de negros desde que nasci...
    pelamordeDeus!
    Isso é velar o racismo gente... Eles fazem cota para negros em tudo... até na tv brasileira se observa isso...
    e negros terem cotas em faculdades é um descaso com as outras etinias, indios tbm são pessoas humildes...Ôo
    qtos indios tem na sua sala?! x;
    hahaiuhauihiahahoiahoiuhaoha
    tbm sou contra, mesmo o garoto do seginho não tendo argumento, eu concordo com ele!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. sei la isso acho um descaso , mas o mundo todo eh assim...prefiro nem comentar isso...abraços



    comenta la tbm

    http://sonacachaca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Acredito eu q cotas p negros, sim é preconceito. Pq coloca os negros como uma raça fraca e indefesa. Ora, todos estão incluindo nos direitos de cidadão desse país. Se for o caso por exemplo de um negro ser aprovado na universsidade, mas seu ingresso ser vetado sem um motivo satisfatório, esse aluno pode recorrer, e ir atrás dos seus direito. Imagina um aluno q ingressou na universsidade q tem cotas: muitos preconceituosos dali,dirão q ele só ingressou por causa das cotas.
    Não devemos esquecer tbm q existe muito negros q se vitimizam, e q independente doq acontece eles logo acham q é preconceito. Acho q a raça negra é uma raça muito forte, e q já conquistou muitas coisas, eles estão presentes em muitas coisas boas, como músicas, livros, programas etc...
    Acho q eles não precisam dessa cota, pq acho q isso só serviria p reforçar ainda mais q tem preconceito contra os negros...

    ResponderExcluir
  13. eu sou CONTRA cotas, de qqer tipo. Acho q isso é, além de tapar o sol com a peneira, uma desculpa pra não tomarem medidas "de verdade" pra melhorar a educação no país. E se acham q cotas nas universidades vai resolver o problema do desemprego, estão enganados. Logo, os contratantes estarão exigindo pós-doutorado, no minimo.

    ResponderExcluir
  14. Peterson, também sou contra as cotas racias. Não sei como funciona em outros estados, mas aqui no Rio Grande do Sul a UFRGS (escola pública) destinou 30% (ñ tenho bem certeza da porcentagem exata agora) de suas vagas para estudantes negros, índios e pardos, sendo dividido pela metade entre também os estudantes de escola pública. Adivinhe? O Número de vagas para negros não foi preenchida de todo, o que restou à faculdade destinar essas bolsas para estudantes de colégio publico. Se eu tivesse feito o vestibular pra UFRGS era bem capaz de eu conseguir pelas cotas de estudantes de escola pública, porém não o fiz. Agora, que mérito eu teria? Não estudei, não almejei isso, e sou capaz de entrar no lugar de gente que batalhou pra isso mas não conseguiu pelo número minimo de vagas. Independente da cor da pele, tds tem capacidade pra conseguir o que quiser. Isso só mostra o quanto o Brasil ainda é preconceituoso e da a entender que os negros são inferiores por não conseguirem entrar por sí só. A questão da 'divida moral com os negros' é outra hipocrisia. Porque então não dão bolsas para crianças faveladas, sejam brancas ou negras? teriam o direito de cursar colégios particulares, as outras crianças cresceriam num meio cheio de diversidade cultural e não precisariam de empurrões qdo quissessem graduar-se.

    E tenho dito! XD

    ResponderExcluir
  15. A questão das cotas foi muito bem abordada,bem trabalhada...
    Sabe,ao longo da história os negros foram realmente sacrificados por nós brancos,contudo isso não é motivo para essa "onda" de cotas.Isso é uma forma de desqualificá-los e dizer que são incapazes.
    Parabéns pela postagem.
    Ah,poderia ter incluído os índios aí também.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Texto absurdo!!

    Está muito claro que foi elaborado por uma pessoa que não tem a mínima noção de Direitos Fundamentais, e tampouco tem notícias dos Tratatos Internacionais de Direitos Humanos ratificados pelo Brasil.

    Ainda bem que o órgão de cúpula do poder judiciário STF, que muitos julgam ter a melhor formação de todos os tempos, não tem, como não poderia ser de outra forma este tipo de visão "cotas = vergonha"!

    O ministro Carlos Brito já julgou pela constitucionalidade das ações afirmativas no Prouni.

    Vergonha maior é o racismo, não podemos inveter os valores.

    Poucos sabem, mas o Brasil foi julgado pela Organização dos Estados Americanos por prática de racismo! Isto sim é uma vergonha!!

    Dizer que cotas é tratar o negro como coitado revela no mínimo um ponto de vista superficial, baseado puramente em critérios subjetivos.

    Quanta falácia e quanta ignorância do assunto.

    Ainda bem que isto está mudando!!

    Caso queira algum material, me mande um email, que terei o maior prazer em passar informações sobre ações afirmativas!

    ResponderExcluir
  17. Prezado Tiago: você é do PSTU?

    ResponderExcluir
  18. Infelizmente vivemos num país mascarado, onde se evidencia a precariedade do ensino básico, talvez este seja o maior problema na educação dos jovens brasileiros.
    A carência no investimento do ensino básico brasileiro nos mostra com clareza a atual realidade do Brasil.
    O fato de os negros serem menos favorecidos na sociedade, não implica na sua capacidade. Apesar da cor, estamos acima de tudo lidando com seres humanos, essa segregação só mostra a subjetividade e imparcialmente uma atitude racista. O mesmo pode dizer sobre as cotas direcionadas aos alunos oriundos de escolas Públicas?
    Bom, não foge muito do aspecto racial, porém o aluno aprovado por cotas de escolas públicas não sofreria tanta pressão, pois sua cor não evidencia o fato de ter aderido ao sistema de cotas.
    Mas enfim, estes assuntos são pouco complicados, mas não difíceis de ter uma posição.

    abraço

    ResponderExcluir