quarta-feira, 26 de dezembro de 2007

Floresta da Ilusão

Querer e não poder. Ter sonhos praticamente impossíveis, viver em função deles e da esperança que eles geram é viver na Floresta da Ilusão.


Eu sou o tipo de pessoa que acredita que tudo é possível. Eu acredito que um dia o mundo poderá viver sem guerras, que o homem poderá habitar outros planetas e se tele-transportar digitalmente, e em extraterrestres também. As chances de essas coisas tornarem-se realidade são mínimas, quase inimagináveis, mas mesmo assim, há alguma possibilidade. Também acho que ninguém deveria desistir de seus sonhos e que deveriam correr atrás para realizá-los, porém, às vezes, sonhos são apenas sonhos e todo o resto é uma doce ilusão.


“O maior prazer é a ilusão”. Quando eu ouvi Eva Sullivan (Malu Mader) dizer isso a Peter Gallagher (Pierre Kiwitt) quando ele disse que ainda a amava e ela sugeriu que ele desistisse, senti que talvez o maior prazer seja mesmo a ilusão. É só imaginarmos o que gostaríamos de ter nessa vida. Muita coisa estaria ligada a futilidade, mas mesmo assim, seriam coisas que nos dariam prazer em possuir. Seriam coisas praticamente impossíveis. Quase todos os homens gostariam de possuírem a Juliana Paes e várias mulheres adorariam ser possuídas por um Gianecchini da vida. Não precisa ser necessariamente um deles. Pode ser aquela pessoa que você vê na rua ou no Orkut e que fica desejando de forma psicótica às vezes, mas que, dificilmente você nunca chegaria a possuir. São os famosos amores platônicos.


Essas ilusões, é claro, não se limitam unicamente a possuir a pessoa dos seus sonhos. Pode ser uma pessoa que já foi sua também e que você amava e mesmo que tenha um defeitinho aqui ou ali, você não se importa. Mas acontece que a história de vocês acabou e um de vocês já está comprometido. Então tudo se torna ainda mais doloroso. O simples fato de saber que a pessoa que você ama já tem outro dono e o pior, que é feliz com seu dono atual, chega a ser desesperador. Esta é a pessoa da sua vida e você acredita que nunca mais amará alguém com a mesma intensidade que amou e foi amado. Existem pessoas que marcam, mas a vida deve seguir mesmo que elas passem a fazer parte do passado.


E o passado também pode tornar-se uma doce lembrança que algumas pessoas passam a viver em função dela. Lembram-se daqueles áureos tempos do colégio, da infância, do casamento feliz, do paraplégico quando tinha pernas, do cego que enxergava, da mãe e seu filho querido ou marido que partiu e não mais voltará ou de qualquer momento de felicidade que escorreu pelas mãos. Ou então, aqueles que projetam sua felicidade para o futuro, esquecendo de viver o presente. Vivemos nossa felicidade real no presente. O passado possui uma felicidade triste que nunca mais terá volta e o futuro possui uma felicidade que não se sabe se um dia chegará a ser real.


Você é o único responsável pela sua felicidade. Se você ama alguém e este alguém não lhe dá ou daria a mínima importância, desista. Vai ser doloroso por um momento? Sim! Esse sofrimento pode durar de alguns dias até alguns meses, mas você sobreviveria. Esquecer não é fácil, mas um ditado diz que se esquece um amor (ou o diminui consideravelmente) com outro amor. O que passou, passou e o que ainda não chegou não é real. Nunca se feche para a vida e para as oportunidades que ela esfregará na sua cara e que só depende de você enxerga-las, aproveita-las e vive-las.


Às vezes jogar a toalha e desistir é o certo a fazer, quando se tem algum desejo quase impossível. Sonhos podem ser realizados quando há um desejo real e um trabalho duro encima dele, e ilusões são apenas anseios de que as coisas aconteçam magicamente, sonhos que nunca se tornarão realidade. Não vale a pena viver de sonhos e se esquecer de viver...

11 comentários:

  1. Concordo.

    Compartilho algumas ilusões contigo.

    E não gosto de pensar no futuro, prefiro viver no presente. Curtir ele, não sei nem se amanhã acordo ou se irei dormir, porque perder tempo. Na velhice não reclamamos do que não vamos conseguir, mas do que deixamos de fazer quando tivemos a oportunidade e deixamos para depois, para o futuro. =/

    E desistir é muito mais difícil que continuar, e somos ensinados desde pequenos que desistir é o mesmo que perder, mas a vida costuma mostrar que nem sempre desistir é derrota. =p

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente q devemos abandonar aquilo q nunca dará certo e lutar por aquilo que temos chances de conquistar. Amores platônicos então...nem se fala, muitas das vezes nem amor era, muitas vezes era só obcessão, achamos q precisamos ser amados por tal pessoa, p sabermos q temos valor, muitas das vezes é carência, um vazio q precisamos preencher, ou mesmo q nós não damos conta de nos amarmos e precisamos de alguém para fazer isso por nós.
    Porém no caso de abandonarmos um amor platônico torna-se mais difícil qndo algo ainda nos une, por exemplo: se a pessoa trabalha conosco, ou faz parte do nosso ciclo de amigo.
    Mas como dizem q o tempo é o curador de todas as coisas, o melhor remédio é esperar, mesmo q esse remédio seja amargo...=/

    ResponderExcluir
  3. “O maior prazer é a ilusão”??? Que frase incrível!
    Eu gostaria de ter mais esperanças(ou ilusões?????)...Acho que quem tem mais esperanças é realmente mais feliz...

    ResponderExcluir
  4. Sim, eu ainda amo alguém que não me ama mais. E pior do que amar alguém que nunca lhe deu bola, é amar alguém que disse que vc era o homem de sua vida, a pessoa mais importante de sua vida, que fazia juras de amor, e que agora diz não sentir mais nada por vc, repetindo as mesmas coisas que te dizia para outro. É uma dor incomensurável. Mas eu decidi deixar de amá-la e assim será.

    ResponderExcluir
  5. Cara! Belissimo post!
    Engana-se que diz que só vive o presente...
    Quem somos nós sem olhar pro passado e projetar o futuro?
    Claro que tem de haver um equilibrio...
    Marcas abertas nos deixam no passado enquanto expectativas nos projetam demais.E equilibrio é uma palavrinha foda.
    Mas vamos batalhando.
    Bem... penso que pessoas morreram achando que a terra era quadrada, sem conhecer o mp3, o relógio, o compuador o avião... e se podessem acordar hoje ficariam abismados com tudo... da mesma forma é agente... daqui a 100 200 300 anos sei lá, existirão coisas que nunca imaginamos... e os degustadores dessa época, achando tudo normal...

    ResponderExcluir
  6. Isso tudo é verdade! nunca tinha parado para pensar..
    Curti suas idéias.. até demorei pra comentar pq fiquei lendo os posts abaixo!
    Parabéns pelo blog, está muito bom!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Durante muito tempo vivi de idealizar um futuro- um bom estimulo criativo para uma criança; depois passei a idolatrar o passado, esse foi o meu pior periodo, me aprisionei,a uma vida que não mais existia...
    Hoje vivo o presente,consultando sempre o tempo passado-afinal aprendi tanto com ele,e projeto um futuro acordado ao presente.

    Feliz 2008!!!

    ResponderExcluir
  8. Assim, isso de utopia é curioso. Todavia, utopia (mundo sem guerras, tecnologia de ponta, etc) é parte da felicidade que excede o desejo individual. Eu acho mesmo ingênuo achar que a concepção de felicidade humana seja concretizada num plano unilateral. O que quero dizer com isso? Sim, nós dependemos do outro - não é você sozinho quem irá ser feliz. Quer um exemplo? Tu escreves e publicas. Se publicas, achas que o que escreves é bom, daí queres ter o reconhecimento do outro e, a partir disso, ficarás contente.
    Outra coisa é que prazer não pressupõe felicidade. Isto é, ler é prazeroso, mas a leitura constante, em geral, é triste e pode levar ao tédio. Mas ser triste é ser infeliz? Bem, basta ler livros para descobrir o quanto grandes escritores sofreram de tédio e tristeza, mas fizeram imensas andanças por bares, tiveram bons amigos, etc e tal - ou seja, se eles foram felizes, foi uma sensação obtida mediante a presença do outro. Se tu sais de casa, sentas sozinho num canto, tu verás gente - é que precisas estar sozinho no meio de gente. Portanto, eu acho inconcebível a felicidade sem o outro. Agora é preciso entender que prazer e felicidade têm signos diferentes.

    ResponderExcluir
  9. As ilusões são simples verdades que não podem acontecer, ou mentiras que esqueceram de ser repassadas.

    PS: Adoro Mario World

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pelo conselho sobre praga, parece que você leu pensamentos, pois é o meu próximo post!!! Quanto ao seu post atual, de que gostei, embora eu respeite as ilusões, ainda prefiro os sonhos realizáveis. Acho que a diferença é em sonhar em ter alguma coisa e em descobrir que nos tornamos alguma coisa na conquista de nossos sonhos. E realizável não tem nada a ver com sonhar pequeno, pois o mnundo é um enorme desconhecido e o futuro, um oceano de invcertezas. Afinal, as maiores transformações na humanidade foram feitas apenas pelas palavras de alguns homens: cristo, buda, gandhi, martin luter king...E também acho que a vida não é feita de "o seu amor", mas de muitos amores, por cada momento, por cada sentimento, por cada gesto, por cada caminho. Sei lá, só consigo viver com paixão...

    ResponderExcluir
  11. Eu não sou o tipo que fica pensando no futuro, fazendo planos. Me iludi muito e aprendi que ás vezes a gente perde, cai, apanha. Mas não dá para desistir. Só não dá para persistir no erro.

    ResponderExcluir