domingo, 29 de abril de 2007

Verdades absolutas


Verdade absoluta é uma verdade incontestável, que não há maneira nenhuma de contestação. Uma coisa extremamente complexa.


Vamos imaginar a seguinte situação: você está conversando com uma outra pessoa que afirma que o Universo é infinito, o que é uma verdade absoluta. A partir daí, você procura argumentar, dizendo que o Universo deve ser limitado e que não tem como ele não ter um fim. Ele deve ter um fim! Então, essa pessoa lhe pergunta: onde está esse fim? O que há além dele? Após essas perguntas, você não consegue pensar em nada lógico.


Já ouvi falar sobre uns estudos sobre o limite do Universo. O Universo seria uma bola gigantesca e que estaríamos dentro dela, por isso, não temos a noção de que ele tem um fim. Mas essa teoria também esbarra na pergunta: e o que há do lado de fora dessa bola? Também ouvi falar sobre o que há além do buraco negro, mas isso não tem nada a ver esse post. Talvez nunca iremos saber o que há além do Universo e todas essas coisas sobre ele.


Aliás, a palavra “nunca” sentencia uma verdade absoluta, por isso é uma palavra bem chatinha e quem a usa pode estar mentindo. Lembro-me que o amigo de um amigo meu disse a ele: “eu nunca tive uma dor de cabeça”. A probabilidade de ele realmente nunca ter tido uma dor de cabeça existe, mas é praticamente inexistente. Ele pode ter mentido (que é o que todos achamos) e ter tido uma dor de cabeça a algumas semanas, meses, anos ou quando ele ainda era uma criança e não se lembrava disso. Mesmo assim, há uma possibilidade, mesmo que extremamente remota de ele, de fato, nunca ter tido dor de cabeça, afinal, nunca, mas nunca mesmo, tivemos a cabeça dele para saber. E sabendo que “nunca” é uma palavra que sentencia uma verdade absoluta, seria seguro usar a frase: “nunca diga nunca”?


Tenho ainda mais um exemplo de verdade absoluta: afirmar que, na Língua Portuguesa, nenhuma palavra no plural é menor do que em sua forma no singular. O número de letras seria sempre maior no plural do que no singular. Infelizmente, não conheço nenhuma palavra que quebre essa verdade absoluta. =(


[...]


Agora, gostaria de propor para vocês, leitores, um desafio. Eu os desafio a:

A) Citarem palavras que sentenciem uma verdade absoluta, além das que eu já citei,

B) Darem outros exemplos de verdades absolutas,

C) Tentarem quebrar as verdades absolutas que usei como exemplo.

D) Comentarem esse post.


Na próxima quinta-feira (03 de maio), publicarei um post sobre os comentários. Até lá! =)

quinta-feira, 26 de abril de 2007

A Idade da Razão


Crescer é natural e, conseqüentemente, amadurecer também. É algo que vem com o passar do tempo. As pessoas mudam. Idéias também.


Amadurecer é um processo complicado. Primeiro, as pessoas amadurecem fisicamente, durante o período da puberdade, quando deixamos de ser crianças e passamos a ser adolescentes. Depois, vem o amadurecimento mental, quando passamos a ser pessoas sérias e responsáveis.


Repare que você sempre acreditou estar no auge da sua sabedoria. Quando você era criança, achava que sua mãe tinha a obrigação de comprar aquele monte de doces atraentes do supermercado. Mesmo que ela falasse uma, duas, dez, vinte vezes “Lucas Miguel, PÁRA!”, você continuava enchendo o carrinho de guloseimas e fazia o berreiro quando ela não passava aquela montanha de doces no caixa. Naquele momento, você achava que tinha razão para ficar puto e que sua mãe estava mortalmente errada.


A adolescência é marcada pela rebeldia. Nessa fase, o adolescente passa a ganhar novas responsabilidades. É tratado como criança quando seus pais dizem “você não é responsável o suficiente para dirigir”, e também tratado como adulto quando o assunto é capinar o quintal, pagar as contas e a fazer um monte de coisas que ele julga desagradáveis. Nessa idade você também acha que sempre está certo e seus pais sempre estão errados. Mas o mais irônico de tudo é que, quando você tem os seus próprios filhos, age da mesma maneira que seus pais agiam com você (ou até pior).


Quando você é adulto, tem grandes responsabilidades como contas, impostos, casa e família. Nessa idade você também pode ser preso, então já não é mais prudente sair esbofeteando qualquer pessoa ou cometer atos ilícitos que na sua infância e adolescência eram perfeitamente normais.


Com o passar dos anos, você sempre acha que está no auge da sua sabedoria. Sempre acha que está na idade da razão. Ao pensar nos seus atos de alguns meses ou anos atrás, você conclui sobre você mesmo: eu era tão burrinho naquela época... Hoje você pensa que era idiota antes o que você fazia, mas quando tinha aquela idade, achava que aquilo era o certo. E o mesmo acontecerá daqui a alguns anos: você verá que suas idéias hoje são meio bestas em relação as suas futuras idéias.


Há algo de irônico nisso tudo. O que você pensa em relação aos idosos? Você pensa que a vida que eles levam é chata, ou ainda, trata os velhos como se todos fossem caducos, mas você não pensa que quando você envelhecer, poderá ser assim. Quando você envelhecer, ainda sentirá que está com a idade da razão. E aliás: qual idade é o ápice da razão? Sim, porque um dia você vai ficar realmente caduco.


Você pode até gostar do que fazia no passado sem achar tudo besteira, mas se você pudesse ter de volta a vida que tinha no passado, você gostaria de reviver? Muita gente responderia que não. Seria viver de sonhos. E como o Professor Dumbledore disse a Harry: “Não faz bem viver sonhando e se esquecer de viver, lembre-se”. *Harry Potter e a Pedra Filosofal (pág. 185), Rocco, 2000.


O mesmo acontece com a sociedade. O modo de vida dos anos 1920 não é o mesmo de hoje. A mulher, por exemplo, vivia a serviço do lar e para o lar. As mulheres independentes dessa época, que trabalhavam, era mal-vistas por todos e vítima de fofocas e difamações. Com o passar das décadas, as roupas foram diminuindo, tornando-se mais sensuais, deixando se ser moralista, tabus foram caindo... O que a sociedade dos anos 1920 pensaria sobre a sociedade dos anos 2000? Que é uma sociedade amoral. E o que pensamos sobre a sociedade dos anos 1920? Que são puritanos demais. O mundo dá voltas.


O nosso pensamento e da sociedade evolui. Hoje há uma maior conscientização sobre os problemas ambientais e há maior aceitação da diferença. Houve sempre pessoas que estiveram além de seu tempo e sempre houve pessoas que são mentalmente atrasadas (exemplo: o Papa Bento XVI). O que achamos absurdo hoje, poderá ser perfeitamente normal e aceitável amanhã. Mas ninguém quer ver o progresso do que julgamos ser o errado. Estaremos sempre na Idade da Razão.

domingo, 22 de abril de 2007

Um elo com o passado


Existem várias formas de se fazer uma viagem no tempo. Pode ser revendo fotos, relendo cartas, mas principalmente ouvindo música ou sentindo um cheiro.


Afinal, quanto tempo dura o presente? É mínimo. Não dura nem um segundo. Ou nem exista. O título que você acabou de ler já faz parte do passado, e as linhas a seguir farão parte do futuro, ou seja, é curtíssimo. Ou talvez nem exista mesmo e fique na divisa entre passado e futuro.


Uma das formas mais comuns de se voltar ao passado é através das músicas. As músicas tornam-se um ícone de um momento vivido. É como uma marca feita com ferro quente. Ela fica para sempre na nossa lembrança e, por mais tempo que possa ficar desativada, nunca será esquecida (exceto se você acabar sofrendo de Alzheimer).


Para mim, as músicas começaram a me marcar desde que eu entrei na escola, em 1994. As músicas eram do Gabriel, O Pensador, como “Matei o Presidente”. Além disso, me lembro da fragrância do perfume que a minha professora usava, mas não há como eu passar que tipo de cheiro é esse através do blog. Além disso, não sei o nome do perfume e não lembro do cheiro, a não ser que eu o sinta novamente. Também me lembro de como era essa época, os meus medos, os meus amigos, como era a escola até como era a intensidade do Sol e o frio das manhãs de inverno.


No final de 1995, os Mamonas Assassinas fizeram um enorme sucesso, e não havia como as músicas deles terem marcado época para todo mundo. E eu também lembro que eu ficava jogando Mario Kart. Nessa época eu passei a jogar Super Nintendo.


Um monte de detalhes me lembra o ano de 2000 e 2001. A Feiticeira (Joana Prado) estava no auge, e as músicas árabes tornaram-se o hit do verão. As músicas da Shakira como “Estoy Aqui” e “Pies Descalzos” também se tornaram um ícone desse ano para mim, mesmo que essas músicas sejam mais antigas. Um cheiro que me lembra dessa época é uns do desodorante “Axe”. Músicas que me lembram dessa época: “Sunday Morning”, do Bolshoi; “Não é sério” do Charlie Brown Jr.; “Amor I love you” da Marisa Monte e “Tô fazendo falta” da Joana, que foi a trilha sonora de quando eu jogava International SuperStar Soccer Deluxe com meus amigos Luís e Wolney. Sobre 2001 me lembro que o desodorante que eu usava era o “Très Marchand”. As músicas eram várias, mas “Eu amo mais você”, do Catedral foi a que mais me marcou. Ela me remete a uma menina que eu gostava na época. =)


Nos anos seguintes, quando eu entrei na adolescência, as músicas passaram a ser aquelas das novelas da Globo.


Em 2006, as músicas “We can work it out” do Heather Nova e “I’ll be there for you” do The Rembrandts fazem-me lembrar do curso de inglês que comecei na Wizard. Há também “Because of you”, que fez sucesso na novela “Belíssima”, e “Queen of Hollywood”, do The Corrs. Além como outras do The Corrs e The Cranberries.


Os sentidos são os nossos elos com o passado. Eles é que nos fazem reviver esses momentos. Essa é a mágica das músicas: elas marcam a sua história, os fatos importantes da sua vida. Quem é que não tem a sua trilha sonora para alguma coisa especial? Quais são seus elos com o passado?

quinta-feira, 19 de abril de 2007

Sentiu um excesso de estima por si mesma


O Orkut é um site de relacionamentos que é sucesso no Brasil e já conta com mais de 50 milhões de membros. Junto com ele, algumas pessoas tornaram-se mais populares e, acreditam elas, o centro do Universo.


O Orkut só tem três anos de vida e praticamente todo mundo que tem acesso a Internet no Brasil, tem sua própria conta. Nesse site, há todo o tipo de gente: de adultos à crianças, de religiosos à servos do Satã, de ricos à pobres, feios e bonitos, etc.


Uma coisa muito interessante também foi um crescimento da estima por si mesmo em algumas pessoas. Como o Orkut é uma ferramenta que muita gente possui e com ela é possível saber mais sobre a vida alheia, várias pessoas passaram a ser o que elas gostariam de ser ao invés do que elas realmente são. É uma síndrome do programa “Big Brother Brasil”, onde o real objetivo de todo mundo é chamar a atenção. Nesse post, eu falarei mais exclusivamente sobre os tipos garotas do Orkut que sofrem esse “excesso de estima por si mesma”.


No geral, ainda são garotas novas, na faixa dos 12 aos 18 anos, ou seja, ainda mentalmente imaturas. No seu Orkut, ela possui centenas de amigos, entre 500 até 1000, sendo que não fala com mais de cinco. Também possui centenas de comunidades, e essas tem que ter no mínimo 700, caso contrário, ela estará indo contra a ditadura das garotas mais populares do Orkut, e isso é um pecado mortal.


Além disso, suas comunidade são aquelas do tipo “pra cima”, para elevar o astral, aquelas comunidades que são uns conselhos ou as regras das garotas populares do Orkut devem seguir como: “Deus me disse: desce a arrasa”, “Não tropeça que a fila anda” ou “Sua inveja faz a minha fama”, que em minha opinião, é a comunidade mais idiota do gênero e, por mais que eu me jogue nesse submundo, não sei qual é a “fama” provocada pela inveja.


No seu “about me”, ela copia de algum site de auto-ajuda ou copia de uma outra garota popular do Orkut mesmo, um texto enorme que fala sobre o que ela já fez e sentiu nessa vida. Além disso, aquelas famosas frases “pra cima” vêm em forma de um texto mais comprido:


Gostou??? Pega senha!!!
Pegou senha??? Final da fila!!!
Final da fila?? Espera a tua vez!!!
Chegou tua vez??? Pega de jeito!!!
Pegou de jeito??? Dá valor!!!
Não deu valor? Abriu pra concorrência!!!
Não me quer??? Tem quem queira!!!
Quer de novo??? Desculpa figurinha repetida não completa álbum!!!
Quem me conhece diz isso de mim...
Quem conhece nunca esquece...
Quem provou adorou...
Quem não quis se arrependeu...
Eu sou simplesmente eu...
Me entender? Impossível...
Me ter? Quem sabe um dia...
Me esquecer? Tente
!!


Eca! Nojento isso! Resumindo, essas garotas precisam provar a si mesmas que são amadas por alguém ou que se dão ao valor, mas pelo texto, elas realmente não estão nem aí para a imagem de galinha difícil, que é o que realmente passa a quem lê, inclusive para quem é burro.


No álbum, ela tem várias fotos com suas amigas, ou então, tem fotos sensuais daquelas que querem dizer algo do gênero “Não tenho cérebro, mas tenho bunda. Serve?”


Em seus scraps, elas escrevem em linguagem miguxa, que é um tipo dialeto que mistura português e basco da forma mais errada possível. E são scraps curtos que dizem coisas do tipo: “friends forever”, “te adoro para sempre”, “miga”, etc. Isso quando não usam o PowerScrap para mandar mensagens automáticas para suas centenas de “amigos” para pedir comentários no seu Fotolog. Mas no geral, não escrevem além disso, pois não tem capacidade mental para tanto. =)


Ainda em relação aos scraps, várias delas acumulam milhares de scraps para fazer volume e para mostrar a quem for ler que é, de fato, popular e amada por todos. Todavia, eu também não apago meus scraps, assim como também não pago meus e-mails, pois além de ter que se dar trabalho de apagá-los, é como apagar um pedaço da minha história através do Orkut. Mas agora tem umas que estão apagando seus scraps com a desculpa esfarrapada de “querer privacidade”, o que é uma tremenda de uma hipocrisia. Porém, têm algumas que quebram as regras e deletam para realmente querer privacidade, pois seu namorado malaco, sem cérebro, galinha e safado reclama dos amigos da namorada fazendo elogios físicos, insinuado que sua namora é adúltera (mas ele pode conservar no scrapbook dele elogios de várias garotas).


Mas elas não estão presentes somente no Orkut. No Messenger, através da mensagem de exibição, elas sempre querem passar a imagem de divertida e populares. Sempre. Geralmente falam sobre como foi a última balada ou o passeio no shopping.


Finalizando, as garotas populares do Orkut sentem uma necessidade de se exibir, mostrar para todos que são amadas para poderem afirmar para si mesmas que são pessoas especiais que todo mundo ama, mas tem sempre aquelas que querem sentir-se no topo, acima de todo mundo.

domingo, 15 de abril de 2007

Que comece o julgamento!


É muito fácil e simples julgar alguém. Só de bater os olhos numa pessoa, você já começa a pensar várias coisas sobre ela sem ao menos conhecê-la.


Uma pessoa torna-se preconceituosa muito cedo, já na infância. Como ainda são muito novas, as crianças não tem capacidade de raciocinarem sozinhas. Elas ainda não têm noção do que é o certo e errado. Então, os adultos põem um monte de minhocas na cabeça delas, fazendo piadinhas preconceituosas e, querendo ou não, incentivando seus filhos a serem preconceituosos. As crianças acabam sendo preconceituosas não por vontade própria, mas porque seus pais colocaram essa idéia na cabeça delas e elas acreditam que isso seja o correto. Com o passar dos anos, dependendo da maturidade de cada um, essas crianças começam a rever essa questão do preconceito. As mais inteligentes deixam de ser preconceituosas, e as mais fracas, continuam com seus preconceitos.


No Brasil e no mundo, há muita gente preconceituosa. Essa idéia do preconceito passa de geração para geração, como eu falei acima e ainda impera. Muitas pessoas não deixam de ser preconceituosas justamente porque a maioria das pessoas é preconceituosa. Ela crê que, se a maioria das pessoas pensa assim, é porque elas estão certas. Ou então, a pessoa deixa de ser preconceituosa, mas continua agindo como tal por medo de um conflito com alguém preconceituoso.


O preconceito está ligado a alguns estereótipos. O negro é taxado de pobre, favelado e ladrão. O homossexual como uma pessoa querendo ser o sexo oposto. E o pobre como uma pessoa sem cultura e, por não ter muito estudo, muito fácil de manipular. Há pessoas que são rejeitadas pelo o que possuem, deixam de possuir, ser o que são, ser o que não são, fazem ou deixam de fazer.


Há também os preconceitos que nascem de acordo com o que a pessoa veste, o seu modo de viver e o que ela faz da vida. Os roqueiros são taxados de drogados (em especial quem gosta de um som mais pesado). Hippies são taxados de desocupados. O preconceito não se reúne apenas às pessoas, mas também a alguns tipos de festas como a rave, onde se pensa que a droga rola solta, e os bailes funk, onde ninguém é de ninguém, e outras coisas inanimadas.


Há pessoas que são rejeitadas pelo o que possuem, deixam de possuir, ser o que são, ser o que não são, fazem ou deixam de fazer. Para dar alguns exemplos, pobres ou mulheres podem ser rejeitados de alguns empregos somente por serem o que são. Pessoas muito novas ou muito velhas também podem ser taxadas de incapazes por isso. Pessoas que sofrem de AIDS, que tem outra religião ou filosofia de vida, portadoras de deficiência física são outro conjunto de pessoas que sofrem preconceito.


Alguns casos de violência já ocorreram e ainda ocorrem por preconceito. Quantas pessoas já não foram espancadas ou até mesmo mortas por nazistas, neonazistas e fascistas? Eles perseguem os negros, os homossexuais e os judeus. O motivo desse ódio não tem fundamento nenhum. O filme “A outra história americana” fala sobre neonazismo e preconceitos, além de passar várias mensagens como a de que o ódio não torna a vida de ninguém melhor e de que as pessoas que rejeitamos podem ser as únicas que nos estendam a mão quando realmente precisarmos.


A frase que ficou famosa nesse último Big Brother Brasil foi: “Prego que se destaca merece martelada”. O apresentador Pedro Bial disse numa entrevista ao site do BBB que odiou essa frase: "Queria aproveitar a oportunidade para dizer que detesto esta expressão. Vamos estudar um pouquinho de História, rapaziada. Esta é uma frase tipicamente fascista, de quem não aceita a diferença. E esse é o maior problema do mundo de hoje", avaliou.


Por esses motivos, o racismo, preconceito e afins não passam de uma idiotice. É necessário conhecer as pessoas a fundo antes de tirar qualquer conclusão. Tente conhecer sua história, seus valores e seu lado humano para não agir de maneira preconceituosa e para fazer o que é justo. Depois disso, você poderá saber se a pessoa que você conheceu presta ou não. Já conheci muita gente que eu não gostava por não conhecer muito bem. Depois de conhecê-las melhor, percebi que eu havia sido idiota e de que essas pessoas não eram aquilo o que eu pensava. Eu estava errado. Às vezes você deixa de conhecer muita gente interessante e de fazer amigos por preconceito.

domingo, 8 de abril de 2007

Retratos de Palhoça


Palhoça, Bela por natureza. Uma cidade que não tem muito a ver com a Santa Catarina estereotipada. Uma cidade com ruas empoeiradas e esburacadas, onde a pobreza é explícita. Os retratos de Palhoça do ponto de vista de um repositor...


Jardim Aquárius: 06:00h

Ruas esburacadas e empoeiradas. As casas são pequenas, de alvenaria, e medem por volta de 70 m². Geralmente estão em construção, o que explica o fato de que a maioria tem uma parte da casa pintada e outra não. Casas feias. O quintal foi aterrado e a casa ficou praticamente soterrada, pois o medo de uma enchente existe, e este aumenta ainda mais levando em consideração o esgoto a céu aberto, que é o ponto zero do loteamento. Não há jardins, não há plantas, não há árvores, não há grama. De vez em quando, topo com um cavalo que mais parece um zumbi pela rua. Tenho a impressão de que ele não sabe o que está fazendo ali.


Avenida Barão do Rio Branco: 06:20h

Pessoas na rua. Algumas vão trabalhar de bicicleta. Outras esperam pelo ônibus. E há aquelas pessoas mais preocupadas com a saúde também, umas figurinhas carimbadas que estão sempre fazendo uma caminhada com suas roupas esportivas. Duas mulheres modernas conversam sobre família, filhos, estética entre outros. Um homem na casa dos quarenta anos, vestindo uma camisa de uma concessionária, dá um bom-dia ao rapaz, que a partir de então, atravessa a rua quando o vê. Um outro homem de uns cinqüenta anos, vestindo uma regata branca, está sem fôlego, parecendo que vai ter um ataque cardíaco. Sempre assim. E há dois cachorros pretos abandonados que vagam na frente do ponto de ônibus e que correm atrás de pessoas andando de motocicleta e de bicicleta, e de vez em quando, de uma carroça.


Rua Coronel Bernardino Machado: 07:00h

Três funcionários de um supermercado estão descarregando o caminhão e atravessam a rua puxando alguns paletes. Uma senhora gorda varre a calçada do Clube Sete. Mais ou menos nessa hora, a rua é invadida por crianças entre 07 e 14 anos que estudam no Venceslau Bueno. Elas estão vestidas com um uma calça verde claro e uma camiseta que é branca na parte superior de verde clara na inferior. As meninas usam a calça apertada, o que revela com exatidão o tamanho de suas respectivas bundas, o que acaba chamando a atenção do motorista.


Supermercados Imperatriz: 08:00h

Os primeiros clientes chegam à loja e logo de cara já vão se servindo de café com leite na recepção. Um mendigo com sua tradicional bermuda verde cumprimenta os colaboradores do supermercado com um “queridinho” e, do nada, tem um acessos de risos. A risada dele é absolutamente bizarra.


Rua Coronel Bernardino Machado: 12:00h

Hora do almoço. Palhoça ferve. Muitas pessoas pela rua. Os carros estacionados na área da Zona Verde, cuja menina loira de cabelos amarrados que cuida disso, está num canto protegendo-se do sol forte. Na frente do supermercado, criancinhas que acabaram de sair da escola, estão bebendo refrigerante, gargalhando alto, conversando sobre “Rebelde”, e dando os primeiros passos no quesito “reprodução humana”.


Restaurante Baraúna: 12:00h

As pessoas de maior poder aquisitivo se encontram no restaurante Baraúna para almoçar. São pequenos empresários e funcionários do Fórum de Palhoça, e alguns colaboradores do supermercado que fica na diagonal do restaurante, que geralmente almoçam na parte de cima em mesas quadradas e cadeiras de madeira. Nele, há um rapaz tomando mais um litro de Ades. Depois que muitos funcionários do supermercado já almoçaram, comidas mais saborosas e preparadas com mais amor são servidas lá embaixo...


Centro de Palhoça: 15:00h

Trimania! Várias pessoas, sendo todas elas feias vendem Trimania (é uma loteria regional), vestidas com um jaleco laranja e segurando uma prancheta. Na frente da farmácia Coelho, tem sempre alguém vendendo CDs e DVDs piratas e... Trimania! O ponto de ônibus está lotado de, em sua maioria, pessoas velhas entupidas de sacolas e recém-operadas de alguma coisa. Na praça, os roqueiros se encontram para encher a cara. Os pais vêem suas crianças brincando no parquinho. Os hippies ficam mais próximos ao quadrante solar. E tem aquelas pessoas que ficam sentadas nos bancos esperando alguém, namorando, ou apenas conversando.


Jardim Aquárius: 15:20h

E o retorno a um típico bairro pobre de Palhoça. Crianças negras, feias, sujas, barrigudas, mal-educadas e mal-cheirosas dominam as ruas. Não, não estou falando sobre as criancinhas do filme “Cidade de Deus”. Elas estão soltando pipa, gritando: “Vai em cima! Vai te fuder!”, ou então, estão na Rua Joinville jogando futebol na rua empoeirada, com uma bola de couro velha e rasgada, junto com um bando de adultos vagabundos e bêbados. Enquanto isso, a adolescente de 14 anos que já foi bonita e educada, agora está gorda e grávida, e conversa com sua amiga preocupada pelo fato de o seu namorado sumir ao saber que ela está grávida. Por fim, as vizinhas fofocam sobre a vida dos outros...



DESAFIO!


Convoco os seguintes blogueiros para escreverem um post sobre os retratos de suas respectivas cidades:


1. Iaiá

Se conselho fosse bom...


2. Wagner

Blá-Blaísmo

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Ler dói?

Leitura, uma atividade que poder ser prazerosa para seres mais inteligentes e uma coisa extremamente chata e forçada para seres que ainda não evoluíram e continuam sendo uns macacos...


Ler dói? Essa é a pergunta que eu me fiz hoje. Eu cheguei em casa e, como manda a tradição, liguei o computador e cá estou eu conectado ao mundo. E como manda a tradição, também fui verificar os meus scraps no Orkut. Então eu leio os seguintes recados da Fram:


“01. FrAm:
;)


02. FrAm:
mes que vem sou eu
me fala daew quandocomeçarr
bjoxxx

migOO


03. FrAm:
eu querrooo

me
candidatarrrrr

boota eu!!!
;P”


A situação era a seguinte: eu sou o dono da comunidade no Orkut “As palhocenses são lindas”. Todos os meses há uma votação para eleger uma capa, e quem vota são os membros que têm direito a um voto. Mês passado, venceu uma garota que mandou scraps automáticos para todos na comunidade (exceto para mim, ironicamente...). E eu não achei legal a vitória dela porque ela foi a única candidata de fato. E não era linda não. Era meio... estranha... Então, para que fatos como esses não se repetissem, pedi para a Fram se candidatar, já que ela é bonita mesmo. Ok, ela se candidatou... mas quando as inscrições se encerraram. E para me estressar de vez, ela, assim como algumas candidatam que tentam se candidatar, ela NÃO LEU as regras! Elas geralmente escrevem “eO querOoO”!, e esse tipo de escrita também me irrita. Essas são as regras (originalmente grafadas no Orkut para chamar a atenção):


Capa da Comunidade – Junho 2007

Inscrições para ser a capa do mês de junho. As candidatas devem se inscrever fornecendo NOME COMPLETO, e sugiro que deixem uma foto bem bonita no álbum do Orkut (preferencialmente de rosto inteiro). A enquete será aberta dia 01/05 para votações.


Boa sorte à todas!


OBS: inscrições que não se encaixarem nos pré-requisitos serão deletadas sem aviso à candidata. Por isso, LEIAM!”


Então, agora vocês já devem saber por que eu fui obrigado a postar os scraps da Fram. Se ela visse isso, ela ficaria possuída, mas como ela não lê meu blog por pura falta de vontade de ler, posso criticá-los à vontade. =)


E não é somente a Fram e mais uma grande maioria do pessoal do Orkut que não saber ler. Eu trabalho em supermercado e há sempre aqueles clientes tapados que nunca sabem achar o preço dos produtos por pura preguiça de ler. O preço pode estar lá, piscando em néon que o cliente sempre vai encher o saco: qual é o preço disso aqui? Talvez se tivesse uma bunda ali, talvez eles prestassem mais atenção no preço. E eu nem vou citar nada sobre pessoas que não lêem o meu blog, pois eu sei que quem lê, tem cérebro.


Além disso tudo, o brasileiro não é de ler livros. Se bem que os preços dos livros não estimulam ninguém a ler. Mas é um mau hábito que vem passando de geração para geração. São raros os pais que estimulam os filhos a ler. As únicas pessoas que se esforçam para isso são os professores de língua portuguesa, mas de vez em quando eles pegam pesado, exigindo que os seus alunos leiam aqueles livros idiotas que ficam falando de nordestino, padre, sertão, índios, e todos esses livros que procuram rotular o “povo brasileiro” como um povo que é isso ou aquilo. Daí não há muita gente que tenha saco mesmo para ler.


Segundo Fanny Abramovich, é através de uma história que se podem descobrir outros lugares, outros tempos, outros jeitos de agir e de ser outra ética, outra ótica”... É ficar sabendo História, Geografia, Filosofia, Política, Sociologia, sem precisar saber o nome disso tudo e muito menos achar que tem cara de aula... Porque, se tiver, deixa de ser literatura, deixa de ser prazer e passa a ser Didática, que é outro departamento (não tão preocupado em abrir as portas da compreensão do mundo).


- É um precioso meio para uma grande fonte de informações: o livro. Seja qual for o assunto sobre o qual você deseja informar-se, desde que ele já sido estudado, há algo escrito a respeito. Resta que o interessado saiba onde procurá-lo.


- É uma atividade básica na formação cultural da pessoa. Além disso, é uma excelente atividade de lazer. A leitura de uma história bem urdida, de um conto, de uma crônica e de diversos outros gêneros literários constitui uma valiosa atividade a ser incluída nos seus períodos de lazer.


- Ler é benéfico à saúde mental, pois é uma atividade Neuróbica. A atividade da leitura faz reforçar as conexões entre os neurônios. Para a mente, ainda não inventaram melhor exercício do que ler atentamente e refletir sobre o texto.


E para finalizar, a leitura é uma atividade extremamente importante para o homem civilizado.