quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

As ondas ninfomaníacas - Parte 2


A primeira parte desse post não foi muito feliz... Acompanhe o último episódio de Peterson da série “As ondas ninfomaníacas”.


Capítulo IV: Piadinhas e miojo

Fui ao Supermercado Santos antes de anoitecer. No caminho pela praia, vejo a Eliane, minha chefe, caminhando na praia, mas como estava longe, acenamos um para o outro. O público do Supermercado era mais atraente do que o povo da praia. Na praia, havia muita gente na casa dos trinta. A maioria não era caída, mas mesmo assim, não me atraia, ao contrário do pessoal do supermercado.


Voltei, deixei as coisas na casa e Robisson, Fram, Gleyson e eu, fomos numa pracinha, onde ficamos conversando por um tempo. Voltamos quando apareceram o Seu Vilson e a Dona Cida.


Ao voltar, o incidente com as ondas já havia sido informado para todo mundo e novas piadinhas foram criadas. Como ninguém quis jantar, comi miojo, que por acaso estava ótimo. =)


Capítulo V: Sonhos estranhos


Tive uns sonhos estranhos essa noite e resolvi conta-los para Fram e Robisson, pois eu estava me sentindo meio esquisito por causa deles. Lembrei-me de quatro:


1º: Estou caminhando por uma trilha em uma fazenda com gramas baixas. Ao olhara para trás, vi um tornado vindo em minha direção (não propriamente para cima de mim, somente). Pela trilha, vejo a Fram, o Robisson e o Seu Vilson correndo desesperados. Eu começo a correr para frente, mas eles me chamam para voltar e entrar em uma casa...


2º: Sonhei alguma coisa do tipo sobre a minha mãe ser uma assassina e de esconder os corpos cimentando o carro em que a vítima estava, ou por de trás do buraco de uma piscina, ou dentro de uma parede...


3º: Sonhei que eu estava em Florianópolis na parte da ilha, e que havia uma ilha na costa que ainda fazia parte de Florianópolis. Nessa ilha, ficavam alguns bairros que existem outros não, e a outra metade da ilha era Cuba...


4º: Agora o sonho mais bizarro de todos e mais misterioso. Sonhei que eu estava na Praça da Palhoça com mais um povinho, mais precisamente na Av. Barão do Rio Branco, na frente dos correios. Parecia ser um evento da ONU. Havia dois homens suspensos por cabos de aço a uma altura de uns cem metros (muito alto), sem proteção alguma, pondo bandeiras de todos os países nesses cabos. Viam-se os dois homens pequenos lá encima, andando sobre os cabos como se estivessem em uma corda bamba. Os tamanhos deles eram projetados, o via-se ao mesmo tempo, o homenzinho pequeno lá em cima, e um holograma enorme dele sobre os cabos. Eu temia muito que um deles caísse de lá de cima. Seria morte na certa.


E um deles caiu, não caiu em linha reta, mas caiu do jeito de uma pluma, fazendo curvas pela horizontal. Mesmo assim, caia rapidamente e o povo na praça gritava apavorado. O corpo foi caindo e vindo em direção à rua. Foi caindo suavemente dessa vez e de pé, assim como os Diggory e o Sr. Weasley fizeram após pegar a chave de portal em Harry Potter e o Cálice de Fogo. Uma mulher loira, parecida como Edyta Bartosiewicz (foto). Seria ela, a própria Edyta? Somente sei que a mulher foi aplaudida e aliviou os corações de todo mundo por não ter morrido após cair do cabo de aço.


Agora você se pergunta: não foi um homem que caiu? O que essa mulher tem a ver com tudo isso? Pois é, só fui perceber isso depois que acordei. Caiu um homem, mas quem veio foi uma mulher. O que houve com o homem que caiu? Que mulher é essa? Ou será que o homem mudou de sexo enquanto caia...?


Não ajudou muito eu ter contado sobre o meu sonho para o Robisson e a Fram. Eles não queriam ouvir. Agora sei o porquê de as pessoas pagam por psicanalistas: são os únicos dispostos a ouvir.

Eu o Robisson ficamos em casa de manhã enquanto a Fram e o pai dela caminhavam pela praia. Fomos para a praia de tarde. O Robisson queria que eu entrasse na água, mas eu não quis ir. Vou dar uma volta enquanto os três ficavam curtindo as ondas. Voltamos, tomamos banho, e fomos embora às 16:00h, de ônibus.


E assim foi...

12 comentários:

  1. Nossa, acho que você bebeu muita agua do mar quando a onda te pegou pra sonhar tudo aquilo hauhauau
    História interessante, é engraçado ver como nossas histórias ficam diferentes depois de escritas

    ResponderExcluir
  2. Mas pra q pscanalista se vc tem um blog? ehhehe

    Ow mas nao se sinta o único haiueha eu tb tenho uns sonhos bemmm malucos hehehe

    ResponderExcluir
  3. Cara, sinceramente, essa sua história supera todas as minhas em que o "azarado" sou eu. Nossas, essas ondas aí, credo! bem taradinhas hein?
    ehehehe
    abraço!

    ResponderExcluir
  4. Você omitiu quantos miojos comeu, e o que fez para turbiná-los, porque esses "sonhos" (pesadelos) todos são típicos de quem comeu muito antes de dormir. Rsrs. Só lamentei o fato de você não curtir a praia, quando lá se encontram apenas pessoas acima de 30 anos. Já ouviu falar em "Balzaquianas"? Segundo os experientes, são as melhores. Muito bom o seu texto, você escreve com leveza (neologismo que criei agora). Eu quis dizer que tens facilidade de colocar suas idéias no papel, de forma agradável e convidativa aos leitores. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Tb ando tendo uns sonhos bem estranhos... vou postá-los em breve! Bjossss

    ResponderExcluir
  6. E verdade os sonhos são muito estranhos!!

    ResponderExcluir
  7. nem um, nem outro...ela tá usando uma lona de circo!

    ResponderExcluir
  8. Kra... quais os sonhos q não são estranhos?
    Até a Próxima!!! ;)

    ResponderExcluir
  9. ondas ninfomaníacas. termo interessante esse

    ResponderExcluir
  10. quanto aos psicanalistas
    assista dr. munford inocencia ou culpa!

    ResponderExcluir
  11. Juliamaris6/2/07 9:07 PM

    huahahuauhauhahuhuahahuauauuahuaha
    Soh vc mesmo!!!
    BjoO =0

    ResponderExcluir