sexta-feira, 17 de março de 2006

I Momentos de Filosofia - Arrogância humana


Finalmente, o primeiro “Momento de Filosofia” deste blog. Mas o quê são os “Momentos de Filosofia”? Vou explicar. Filosofia é uma palavra de origem grega (filos= amigo + sofia= sabedoria). Os filósofos eram (e ainda são) tratados como “vagabundos desocupados que não tem nada de importante pra fazer da vida”. E eu concordo com isso. É vergonhoso alguém viver somente de filosofia porque o mundo não é mudado por palavras bonitas, e sim por atitudes.

Então, qual o meu objetivo com o “Momentos de Filosofia”?
Filosofar, para muita gente, é chato porque é difícil ou que é uma coisa de gente inteligente. Discordo mortalmente. A pessoa que não seja burra tem a capacidade de filosofar. Qualquer uma que tenha senso crítico, que saiba perceber o certo e o errado pode filosofar. Mas a filosofia a qual eu lhe convido não é aquela que faz perguntas do tipo: “Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos?” ou coisas idiotas como “O que seria do vermelho se todos gostassem do azul?”. A filosofia a qual proponho a filosofar trata de temas atuais ou coisas da natureza humana.

Nesse primeiro “Momentos de Filosofia”, filosofarei sobre a arrogância humana.
Tudo começou na semana passada, quando eu estava no Imperatriz trabalhando na reposição da loja. Eu me encontrava no corredor do café abastecendo o achocolatado Nescau 500g. Eu estava retirando o Nescau (energia que dá gosto) de uma das caixas vermelhas de entregas do SuperImperatriz loja 13. No cantinho da caixa estava uma abelha. Como eu não estava com vontade nenhuma de ser picado como o Ismael já foi, resolvi dar umas porradas (de leve) na abelha, um “pedala Robinho” para a abelha ficar “ligada”.
Não me lembro com o que eu bati, mas a abelha sobreviveu ao “pedala Robinho”. Ela ficou caída no chão e eu estava ainda abastecendo o Nescau, um tanto preocupado que a abelha me picasse em um momento de distração. Não me lembro direito, mas eu tive que recuar o carrinho. A abelha na reta das rodinhas. Então eu percebi o quanto arrogante somos nós os seres humanos. Não fiz a criancice de matar a pobre coitada da abelha. Esse então é o tema que eu quero discutir em “Momentos de Filosofia”. Porque nós humanos somos tão arrogantes para matarmos todos os seres vivos que julgamos inconvenientes? Só porque as baratas são nojentas isso é motivo para matá-las? Porque montamos nos lombos de alguns animais? Porque escravizamos animais para o trabalho que só beneficiará apenas a nós, seres humanos? O que nos dá esse direito? Só porque somos uma raça de inteligência avançada, que direitos temos de praticar esses atos?

Quem leu “A Revolução dos Bichos” de George Orwell pôde entender um pouco sobre como nós somos arrogantes e exploramos os bichos. Matamos bois para nos comer. Será que gostaríamos que os bois nos matassem para comer se eles fossem uma raça mais inteligente que nós? Claro que não.

Porque não temos a sensibilidade de viver pacificamente com os outros animais? Porque alguns humanos maltratam animais, cuja revolta é expressa pela banda de ska punk, Ska-P na música “Insensibilidad”, traduzida por mim.

“É Natal, vou comprar para o meu filho algo especial
Um animal, um filhotinho para que possam brincar
O separaram de sua mãe ao nascer direto para essa maldita urna de cristal
Usar e tirar, esquenta o verão e tenho que abandoná-lo

Nada lhe foi dito que a rodovia seria sua fiel e fria companheira
Nada lhe foi dito que na rodovia morreria atropelado em uma vala

Milhares de animais são as vítimas mortais de umas mentes anormais que não tem sensibilidade
Sensibilidade

Morrer debaixo das rodas de um caminhão, servir de carne de canhão, lutas na clandestinidade, tétricas (tristes) sessões de dor
Experimentação bastarda com impunidade total

Atrás do cristal, pela rodovia os vê vagabundear
Sem descansar, segue buscando sem rumo seu velho lar
Um ruído de noite me estremeceu, debaixo das rodas daquele maldito caminhão
E não é o final, amanhã recomeça essa história em outro lugar

Como você é capaz de abandonar a um amigo tão leal sabendo qual é o seu final?
Maldita a pessoa que é capaz de abandonar a um amigo tão leal, quanta irresponsabilidade “

Acho que você já deve ter sentido um pouco de nossa arrogância humana. Quem nunca matou o maltratou algum animal ou inseto. Essa é uma das várias perguntas que eu deixo aqui para você filosofar.

Se leu essa postagem, favor de sua opinião sobre o assunto.

Atenciosamente
P. Florindo

2 comentários:

  1. Verdade somos mesmo mto arrogantes...gostei do exemplo da barata!
    BjoO

    ResponderExcluir
  2. tudo se resume a seguinte frase de vida q eu eu uso muito "live an let live"

    adeus and PEACE

    ResponderExcluir